Garanhuns, 11 de setembro de 2004
  Início
  Colunas
  Opinião
  Política
  Cidade
  Geral
  Especial
  Cultura / Diversão
  Sociedade
  Ed. Anteriores
  Expediente
 
COLUNAS
 

COLUNA DE ULISSES

Ulisses Pinto


SUCESSÃO - A sucessão municipal, após o início do Guia Eleitoral, tomou outro aspecto. Pessoas até alheias ao processo político-eleitoral, conversam, dizem palpites, fazem comparações entre os candidatos ao executivo local (Luiz Carlos, Bartolomeu Quidute, Alexandre Bezerra, Givaldo Calado e Paulo Camelo). Este, o único que é filho desta terra de Lula Branco.

Não se pode negar que os "mais falados" são o médico Bartolomeu Quidute e o farmacêutico. Luiz Carlos.

Serão julgados pelo eleitorado, também os demais candidatos e os políticos, deputado Izaías Régis e o prefeito local, Silvino Duarte.

Tem havido alguns entreveros, porém sem muita consequência.

Quanto aos números de candidatos ao Poder Legislativo, no nosso entendimento de "raposa velha" em política, os vitoriosos na sua grande maioria, serão dos grupos do prefeito Silvino e do deputado Izaías.

Há quem diga, que Lula e Jarbas, terão influência no pleito de três de outubro. O nosso parecer é que a influência é muito reduzida. Bem isto é apenas um parecer, nada mais.


DUDU - Fiquei alegre com a decisão sábia do Tribunal Regional Eleitoral de mudar a decisão da juíza Eleitoral de Capoeiras, que indeferiu o registro da candidatura do caro comerciante Dudu. Capoeiras é terra de Roberto Almeida, de Maria Almeida Rocha, futura cidadã honorária de Garanhuns, este ano.

A vitória é mais certa ainda, como são "favas contadas", triunfo do candidato a prefeito de Brejão soldado Jeseraldo (PSB) apoiado, apoiado pelo chefe do executivo, Sandoval Cadengue.


ECONOMIA/POBREZA - De muito valor, o comentário do jornalista Renato Lima (publicado no Jornal do Commercio , dia cinco de setembro), quando escreveu: "O país entrou na rota do crescimento. Como divulgou o IBGE na semana passada, o Produto Interno Bruto (PIB) do país aumentou 4,2% no primeiro semestre desteano em relação a 2003. Entretanto, o Brasil já cresceu, até de forma "milagrosa" no período militar, mas isso não garantiu melhor distribuição de renda - um desafio que continua. A tendência da economia brasileira é crescer porque o excedente de mão-de-obra é muito grande, analisa o Prof. de economia da UPPE.

Mesmo que o país cresça por vários anos a redução na probreza seria muito lenta, segundo os cálculos do economista Ricardo Páes de Barros, do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (IPEA). Segundo o mesmo economista, apesar do crescimento econômico, a desigualdade continua no país entre probreza e os potentados. Sobre o assunto, diz o senador e ex-ministro da educação Cristóvam Buarque: "As políticas sociais aplicadas no Brasil ainda possuem o caráter assistencialista. "O Fome Zero" é assistencialista por natureza, para matar a fome. São programas que protegem os pobres, mas não acabam com a pobreza". É preciso investir em saneamento, habitação, transporte, saúde e educação. Se conseguir assegurar isso para a população, em quatro ou cinco anos você muda a cara desse país". (Declarações do economista da Unicam Ricardo Carneiro).

Essas desigualdades vêm de longos anos e a classe empresarial, incluindo a maioria dos componentes do Congresso Nacional, defendem muito pouco as idéias de um Cristóvam Buarque, um gigante pelos pobres, inclusive no setor da educação brasileira.


PERGUNTA - Quem será em Garanhuns, o João Paulo do Recife, em termos da vindoura eleição municipal?

Só uma coisa verdadeira se encaixa após a abertura das urnas. "Zebra" não vai acontecer em Garanhuns, nessa eleição.


DR GIOVANNI - Lamentável a notícia do "Diocesano Sempre", com a seguinte nota (ed. de maio/agosto): Dr. Giovanni Gomes.

Faleceu no dia 15 de agosto, às 6 horas da manhã, no hospital Unicord, em Recife, aos 89 anos de idade, o médico Giovanni Gomes de Lima. Seu sepultamento ocorreu às 17 horas do mesmo dia, no cemitério de Santo Amaro, na capital pernambucana.

Dr. Giovanni foi aluno do Colégio Diocesano, no início da década de 30.

Minhas condolências, a todos os seus familiares e amigos, pela grande perda.

O falecido, nosso amigo, era natural de Lagoa do Ouro. Um médico querido e que por muitos anos viveu em Garanhuns. Admirável figura humana.

E por falar no "diocesano", faço um apelo que o querido jornal retire a partir do próximo número (1ª Página), a frase "Praça da bandeira", haja vista que o nome oficial, é Praça Monsenhor Adelmar da Mota Valença (projeto do vereador e ex-aluno do educandário, Augusto Acioli e que por sinal é candidato novamente ao mesmo cargo.