Garanhuns, 28 de agosto de 2004
  Início
  Colunas
  Opinião
  Política
  Cidade
  Geral
  Especial
  Cultura / Diversão
  Sociedade
  Ed. Anteriores
  Expediente
 
OPINIÃO
 

Importância da alfabetização

Odete Melo de Souza


Quem não lê é como quem não vê, não ouve, não pensa, não fala, não vive...

Como é diferente aquele que lê!... Sabe conscientemente mais coisas, pensa melhor, elabora, coordena e compara suas idéias com eficiência, tem mais respaldo para enfrentar a vida, dispõe de maior cabedal para falar, elaborando sábias perguntas e respostas, fundamenta suas opiniões com seus conhecimentos, aumenta sua compreensão, enriquece seu vocabulário, tem mais chances, é capaz de fazer conclusões acertadas, parecendo que sabe o que vai acontecer, torna-se operário, funcionário e até governante mais aprimorado.

Comparando essas duas situações humanas, concluimos quão imensa é a injustiça de que são vítimas os analfabetos.

Fato este que levou o ilustre senador Cristóvam Buarque atuante protagonista da alfabetização a sugerir ao governo brasileiro pagar aos analfabetos uma indenização equivalente à destinada aos perseguidos políticos. Estes sofreram torturas físicas e morais, prisão, exílio, desemprego. Aqueles foram e são torturados diariamente com a pobreza, a discriminação e sobretudo, o desemprego.

O analfabeto não tem direito a quase nada.

Na Suécia, o aluno é pago para estudar, estimulando assim o gosto pelas letras, pois, a sociedade vai precisar do seu trabalho aperfeiçoado, adquirido com certeza, pelo saber.

O analfabetismo pode se chamar o câncer social do Brasil e ainda é responsável pelo comprometimento econômico, cultural e humano de nossa pátria.

A dificuldade da erradicação do nosso analfabetismo não reside apenas na falta de alfabetizadores preparados, capazes e dedicados nem na ausência de recursos, dispondo nosso país de uma invejável renda de R$ 1,6 trilhão.

O grande problema para atrair os analfabetos adultos ao estudo está provado que é a adaptação dos mesmos num ambiente que lhes é totalmente desconhecido.

As limitações da idade dificultam o ajustar-se naquele novo viver, desde o manuseio do lápis até o domínio da visualização dos sinais gráficos, traduzindo-os em letras, palavras, isto é, em leitura, enfim.

Há mais adultos analfabetos do que crianças e jovens.

É que aqueles não foram contemplados com tantas oportunidades como os que se oferecem hoje aos pequeninos e adolescentes.

Não podemos desconhecer as benéficas medidas que os poderes públicos têm adotado em prol da alfabetização.

São programas como Brasil Alfabetizado que se propôs a alfabetizar todos os brasileiros em quatro anos, o BB EDUCAR implantado pelo Banco do Brasil em convênio com outras entidades e que vem atuando com grande proveito em Caruaru.

Há também instalações de Bibliotecas Públicas nas cidades como as prometidas pelo Governo do Estado com o Rotary Internacional, em parceria.

O estímulo à leitura é de um valor incomparável e dever de todos os educadores, pais, governantes e todo ser humano.

A Biblioteca dever ser o tempo cultural da comunidade.

Todo dia devemos ler um bom livro.

"O bom livro é aquele que se abre com interesse e se fecha com proveito".

Que a alfabetização de todos os brasileiros seja a mais justa e esperada realidade vivenciada em nosso país:

Resgatemos nossos analfabetos!...