Garanhuns, 28 de agosto de 2004
  Início
  Colunas
  Opinião
  Política
  Cidade
  Geral
  Especial
  Cultura / Diversão
  Sociedade
  Ed. Anteriores
  Expediente
 
COLUNAS
 

HUMOR

Raulzito


Debate no rádio e Guia Eleitoral

A campanha política em Garanhuns esquentou de vez. Tudo por conta do debate dos candidatos à prefeitura no rádio. E também por causa do chamado guia eleitoral, mais eficiente do que Bombril e do que guia de cego.

Mas comecemos pelo debate na rádio Jornal. O que mais chamou a atenção foi a importação de profissionais do Recife para fazer as perguntas, numa completa desmoralização dos profissionais de comunicação da cidade. Na prática, os organizadores do debate disseram: vocês de Garanhuns não sabem de bosta nenhuma, por isso tivemos de trazer jornalistas do Recife para perguntar.

E não é que os caras da capital são melhores do que os daqui? O mediador do programa, um tal de Aderval Barros, que eu pensava entender só de futebol, saca tudo de política. Principalmente da política de Garanhuns. Tanto que nos momentos finais do debate saiu-se com esta de gênio: chamou o candidato do PPS de Givaldo Camelo. O Paulo Calado, do PSTU, aquele do teleférico, é que não gostou muito da troca de sobrenomes. E insinuou que o radialista do Recife estava a serviço da burguesia.

Outro jornalista da capital, ao fazer uma pergunta a Bartolomeu Quichute, deu uma de Cristo e fez o milagre da multiplicação dos parentes. Segundo ele, o petebista quando foi prefeito empregou 34 pessoas da família no Executivo. Como o candidato na época em que mandava no palácio Celso Galvão só arranjou uma boquinha para três irmãs, um irmão, dois cunhados e um primo em terceiro grau, quis saber do repórter onde foi que ele estudou matemática. Terá sido no antigo Colégio Carneiro Leão, aquele do pagou passou?

E ainda teve um tal de Marcelo, o do JC Online, não confundir com o da Fria Idéia. Esse quis saber de Luiz Carlos do Jardim das Oliveiras o que ele achava do aumento do salário de prefeito para 10 mil reais, sancionado por Sirvino, depois de uns bons conselhos de Orora. O peemedebista, confirmando sua fama de candidato Denorex, aquele que é, mas não é, soltou o torpedo: disse que Garanhuns é uma cidade pobre e era lamentável o gesto do atual prefeito.

Foi o momento mais edificante do debate. Nesse instante, as torcidas de Givardo Colado, Alexandre o Grande e Bartolomeu Quichute vibraram, como se o Aderval Barros tivesse gritado gol. A turma do Luiz, constrangida, fechou a cara, e o eterno vice, Almir Pernafraca correu pra o banheiro, parece que com dor de barriga.

No final os comunicadores da capital chamaram os radialistas de Garanhuns - à frente o Aluízio, Eduardo e Ariston - para contabilizar as perguntas e as respostas e ver quem ganhou o debate. O placar final foi Recife 5, Garanhuns 0.

Sirvino de Andrade, todo contente com o resultado, adiantou que em 2005 a turma do Aderval seria incorporada ao festival de Inverno, até o Bruno Lisboa de Portugal já tinha sido comunicado.

O prefeito é assim, corajoso. Ele não tem medo que o Adervalzinho chegue aqui e dê outra de mestre, chamando o Pau Pombo de Parque Ruben Dourado. E viva o debate!

O GUIA DE CEGO - E agora vamos falar do guia de cego, perdão, digo do guia eleitoral 2004, que está melhor do que o de 2000. O melhor programa de rádio é o do PSTU, com o candidato Paulo Camelo fazendo uma imitação perfeita de Chico Buarque. "Pai, afasta de mim o PTB de Bartolomeu; pai, afasta de mim o PMDB de Luiz Carlos; pai, afasta de mim o PT de Lula e Alexandre...

Com um discurso desses, o camelódromo vai estourar as urnas de Garanhuns com tantos votos. E assim teremos o teleférico e o shopping turístico lá do Castainho. Para o Paulo ganhar a eleição agora só falta ele convencer o seu vice a votar nele, pois tão dizendo que o Bira vota em Bartolomeu.

No horário do Givardo Colado tem de tudo, até repórter imitando a voz do Gil Gomes. E juntaram numa só rádio todos os locutores da Marano e Estação Sat. Ficou uma maravilha. Dizem que se o PPS perder a eleição haverá uma fusão das duas emissoras. Será a Estação Marano, frequência 23,25 megawatts.

O guia do PT, feito pelo Fernandinho Rodolfo, está dando um banho. A voz da Cássia Amaral é tão boa que toda vez que ela entra no ar um amigo meu lá do bairro da Brasília tem um orgasmo. Se Alexandre o Grande tivesse colocado a Cassinha de vice a eleição estava no papo, até eu votava nele.

Quanto ao programa de Bartolomeu Quichute, com um tempo tão pequeno que nem dá para o candidato se apresentar direito, a grande sensação até o momento foi o Auderjan. Dizem que Sirvino e Ivan Sabe Tudo gostaram tanto da apresentação do homem, que no mesmo dia da estréia do grande artista no horário do PTB mandaram fazer um convite ao cantor para gravar um clipe também no programa desconstruindo Garanhuns.

O violeiro, sabido, rejeitou a proposta na hora. Disse que fez para são Bartolomeu um trabalho profissional e que dinheiro não é o mais importante. "E não tenho nenhuma vocação para ser o Zeca Pagodinho de Garanhuns", disse o cantador, com aquela voz de trovão.

Quanto ao guia eleitoral de Luiz Carlos do Jardim das Oliveiras não posso falar nada. Ainda não começou. Só tem o programa de Sirvino, o vaidoso, que entrou com mais de mil no espaço dos outros para mostrar as obradas antigas e recentes que está fazendo em Garanhuns.

O homem tá com a gota serena. Em menos de trinta dias já fez mais do que nos últimos quatro anos e agora garante que não perde eleição nem pra quem inventou o voto. E se a vitória vier, será um festa com muita pedra portuguesa, com certeza. Até na praça da Bandeira, pode crer.