Garanhuns, 14 de agosto de 2004
  Início
  Colunas
  Opinião
  Política
  Cidade
  Geral
  Especial
  Cultura / Diversão
  Sociedade
  Ed. Anteriores
  Expediente
 
POLÍTICA
 

Lajedo tem dois estreantes na política

A campanha em Lajedo, este ano, chama a atenção pelo fato de que duas pessoas estreantes na política estão tentando chegar à prefeitura. De um lado está o médico Rômulo Maia, 41 anos, natural de Picos, no Piauí, mas que há 16 anos reside na cidade pernambucana, localizada a 33 km de Garanhuns. O outro candidato é o empresário do setor avícola José Cosme, 55 anos, mais conhecido como Zeza Cosme. O primeiro é apoiado pelo atual prefeito, Antônio João Dourado, do PDT, e o segundo segue o grupo do deputado estadual Adelmo Duarte, do PFL. Em comum os dois só têm o fato de nunca terem disputado uma eleição em sua vida, nem mesmo de vereador.

"Dr. Rômulo", como é chamado por todos na cidade, foi secretário de Saúde nos dois governos de Antônio Dourado e se credenciou a disputar a eleição por conta da preferência dos eleitores, nas pesquisas realizadas no município. Pela oposição o candidato natural seria Adelmo, porém este optou por continuar na Assembléia Legislativa e também através de pesquisas foi definida a candidatura de Zeza, que tem bom trânsito entre os comerciantes e em determinados setores da Igreja. O candidato governista é apontado como favorito, mas as disputas em Lajedo costumam ser decididas por pequena margem de votos e os oposicionistas crêem na possibilidade de vitória.

"Acredito em Deus e no povo", prega Zeza Cosme, certo de que no dia três poderá pregar uma supresa nos partidários de Antônio Dourado. Segundo o pefelista, o prefeito não faz um bom trabalho no município e por isso está na hora de mudar. "Sou candidato porque aqui está um caos", justifica o aliado do deputado Adelmo Duarte, batendo duro na situação das escolas municipais e da assistência médica. "Até em Jupi a saúde funciona melhor", garante.

Enquanto o representante da oposição critica o governo e garante que os setores do comércio, da educação e da saúde no município estão decadentes, o candidato governista defende a administração de Antônio João. "Disputo a eleição para dar continuidade ao bom trabalho que vem sendo realizado", explica Rômulo Maia. Ele ressalta o papel do prefeito na organização do município, com obras importantes em todas as áreas e criando uma infraestrutura que permitiu o crescimento da cidade. "Como engenheiro ele tem essa visão geral e eu, como médico, terei uma grande preocupação com a parte social", antecipa o pedetista.

ORIGENS - Lajedo tem uma população de 32.209 moradores, segundo o último censo do IBGE e pouco mais de 26 mil eleitores. Antigo distrito de Canhotinho, que conseguiu sua independência política em 1949, o município vizinho vem sendo marcado, desde a sua criação, por campanha políticas acirradas, onde não há espaço para terceira via. Lá, ou se é partidário de Adelmo ou dos Dourado (Antônio João é irmão do deputado Marco Antônio Dourado, filiado ao PMDB).

A disputa entre os dois grupos políticos começou praticamente desde que o município foi criado. O pai do prefeito Antônio João, o também médico Antônio Dourado, foi um dos primeiros administradores do município. Nesse tempo, sua família reinava praticamente sozinha. Mas depois surgiu a oposição que cresceu e terminou arrebatando a prefeitura através de Lídio Cosme, este irmão do candidato do PFL no pleito deste ano.

Depois de eleito, Lídio conseguiu fazer o sucessor, o hoje deputado Adelmo Duarte, que foi prefeito duas vezes. Os dois ficaram se revezando no poder e os Dourado ficaram na oposição durante 26 anos. Marcantônio chegou a ser candidato à prefeitura mais de uma vez, mas sem obter sucesso. Em 1996, o engenheiro Antônio João Dourado, que tinha exercido cargos importantes no governo de Arraes e vivia mais no Recife, aceitou o desafio de concorrer à sucessão municipal.

Naquela época, Lídio Cosme já apresentava um certo desgaste e Adelmo não podia ser candidato, pois não havia ainda a reeleição. Os governistas de então fizeram uma manobra, na tentativa de continuar no poder: lançaram a candidatura do médico Pedro Melo, que aparecia bem nas pesquisas. Mas Antônio João Dourado, com uma campanha bem feita, pregando mudanças, conseguiu derrotar os adversários por uma diferença de pouco mais de 400 votos. Quatro anos depois, concorrendo contra o próprio Adelmo, o prefeito foi reeleito, por 530 votos de diferença.

A meta dos Dourado agora é continuar com a prefeitura em seu poder. Além de ter lançado um candidato bem aceito pela população, o prefeito e o deputado Marcantônio conseguiram para a vice um político de peso: exatamente o ginecologista Pedro Melo, que oito anos atrás tinha sido o principal adversário do grupo.

A disputa em Lajedo, portanto, deve mais uma vez empolgar e interessa não somente ao povo de lá como a diversas outras cidades do Estado. Afinal de contas, o município se orgulha de ter dois deputados estaduais - Marcantônio e Adelmo - apesar de contar com um eleitorado bem inferior ao de Garanhuns, que só tem Izaías na Assembléia.

É confiando na força de Adelmo Duarte, no apoio do empresariado e dos seus amigos da Igreja Católica que Zeza Cosme espera desbancar o favoritismo dos governistas. "O deputado é muito conhecido e querido na cidade, a pobreza sempre está do seu lado e como o pessoal dele está me apoiando, assim como os comerciantes, eu espero vencer essa luta", disse o pefelista.

Mais comedido, Rômulo Maia não admite a condição de favorito na eleição de Lajedo, lembrando que as disputas no município sempre são decididas por uma margem estreita de votos. "O meu adversário é um homem de bem e o fato de sermos dois estreantes na política só engrandece a campanha", observou, com elegância. Ele reconhece, apenas, que o apoio de Antônio Dourado e o fato de ter o colega de profissão Pedro Melo como vice ajudam bastante a sua candidatura.