Garanhuns, 14 de agosto de 2004
  Início
  Colunas
  Opinião
  Política
  Cidade
  Geral
  Especial
  Cultura / Diversão
  Sociedade
  Ed. Anteriores
  Expediente
 
OPINIÃO
 

CORREIO ELETRÔNICO


Campeão de Judô

Impressionante como as pessoas só têm valor quando os poucos que representam uma cidade, estado ou nação entram em ação.

Vocês sabiam que Garanhuns abriga em seu humilde lar, localizado na Barão de Nazaré, no bairro da Brasília um Campeão Sulamericano de Judô? Não sabiam? Que pena!! Entederam o sentido da frase inicial?

Pois é, Josisval, mas conhecido como NOCA, aluno do professor Carlos Tevano daqui de Garanhuns, que já tinha o título de Campeão Brasileiro em sua categoria, sagrou-se há alguns dias Campeão Sul Americano de Judô. A rua que ele mora está parabenizando esse rapaz de grande potencial, que com certeza seria uma estrela em outros "tatames".

A falta de apoio e divulgação é tamanha que só soube dessa conquista porque tem uma pequena faixa, colocada por sua família, na sua casa. E olhe que sou seu vizinho, imaginem aqueles que nem por esses lados passam... Mas assim se vive, levando o nome de uma terra magnífica que dá frutos em todas as "épocas", mas que seus representantes legais e legítimos são verdadeiros "dementadores". Aqui fica a dica...

Obs. Se já sabiam do fato, bem! paciência né ?! quando ele estiver numa olimpíada quem sabe não mereça vossa atenção.



Academia de Letras

Caros Amigos do Correio:

Sou professor de Literatura Brasileira no CESA - Centro de Ensino Superior de Arcoverde. Gostaria de receber uma informação sobre o endereço da Academia de Letras de Garanhuns, para dirigir uma correspondência e também tentar receber algum periódico publicado pelos acadêmicos. Tenho interesse em estreitar os laços literários entre nossos acadêmicos e o CESA, visando divulgar seus livros e aproximá-los da comunidade estudantil universitária. Muito grato.

Carlos Alberto de Assis Cavalcanti



O amigo que partiu

Caro Ivo. O meu coração está entristecido. A minha alma doi. Perdi um amigo. Pessoa a quem devia o meu encaminhamento na advocacia trabalhista. Jamais deixei de reconhecer ter sido Urbano um NORTE na minha vida. Devo muito do meu sucesso profissional ao mesmo. Embora seja eu um pecador, nas muitas reflexões de minha vida pude exercitar os seus conselhos e sua reta conduta como homem, cidadão, pai, amigo, profissional e cristão na verdadeira expressão da palavra. Com o coração partido, registrei, perante a 3a Vara do Trabalho o pesar pelo falacimento do nosso Urbano. Concidentemente, a mesma vara do trabalho onde, pela 1ª vez Urbano me conduziu a uma audiência trabalhista, e em cuja audiência, dormi feito criança e fui despertado pelo mesmo sem que, NUNCA MAIS DORMISSE EM QUALQUER AUDIÊNCIA. Tenha certeza meu caro Ivo que a minha dor, a dor de minha alma pode ser pequena mas nunca menor que a de seus filhos Sue, Miriam, Urbano Neto e Samuel, além, naturalmente de sua encantadora mulher Rutinha. Transmita a todos o meu afetuoso abraço e a certeza de que está Urbano, aessa altura, sendo festejado na glória do Senhor.

Paulo Azevedo.



Amigos de infância

Estou morando em São Paulo há muitos anos e procuro por amigos de infância com quem perdi contato em Garanhuns. Seria possível haver um espaço no jornal pra esse tipo de divulgação/informatação?

Os amigos de que falo são Margarete Monteiro Mendes e José Ricardo Gomes de Lima.

Grata,
Suzy



Teatro e Jornalismo

Saudações!

Pelo que sei sobre jornalismo e imprensa, um jornal tem de ser informativo, de utilidade pública e imparcial. Para quem não sabe, imparcialidade significa a publicação de notícias verdadeiras sem distinção de partidos e preferências. Por exemplo, quando um leitor envia sua opinião acerca de certo assunto, o veículo tem a obrigação de respeitar suas idéias, publicando-as ou não, porém sem quebrar a confiança deste leitor.

Gostaria de saber como Valdéria Santana teve acesso a um e-mail enviado à redação o qual eu mesmo procurei para então entender sua total falta de senso e ética. É claro que vi uma das matérias do Correio Sete Colinas reclamando a falta da Diretoria de Cultura na Divulgação das atrações do FIG. Pois bem, estando em minha residência, recebi uma ligação desta senhora, ou senhorita, não me interessa, reclamando sobre um e-mail enviado de um membro do meu grupo para este jornal. Eu fiquei surpreso! De fato, não fui informado desta situação por meu colega de grupo. De todo modo, todos têm direito à livre expressão, já que, aparentemente, não existe mais uma ditadura! No e-mail, segundo pude pesquisar, o Marcos Tennório concorda com o colunista, acrescentando mais algumas falhas verídicas da prezada diretoria de cultura. Segundo ela, ele assinou como DIRETOR do Grupo Cínicos de Cênicas... Ele não fez isso e me mostrou que foi como Programador Visual, já que o Grupo é meu!

Visto o meu prestígio e falta de tempo para assuntos que não me dizem respeito e que são extremamente minúsculos perante a minha vista, não posso tratar desse tipo de situação. Caso alguém criticado tenha algo a reinvidicar, que o faça, mas a quem lhe criticou ou a quem dê cabimento! Se quiser ligar para minha residência que seja para contratar meus espetáculos, ou ainda dar aulas de Educação Artística, bem como procedimentos de Interpretação e Técnica Vocal dentro do teatro, já que, dentre as plenitudes da minha formação EDUCAÇÃO ARTÍSTICA - HABILITAÇÃO ARTES CÊNICAS (único em Garanhuns) posso lecionar em sala de aula, cursos de teatro, além de DIRIGIR CENTROS DE CULTURA E ESTABELECIMENTOS QUE ATENDAM AS NECESSIDADES DA ARTE! De resto, peço encaricidamente que o Correio Sete Colinas frize aos olhos dessa senhora a minha imparcialidade na matéria enviada, e não errada, do meu companheiro de Grupo.

Agradeço, e, agora sim:

Marcelo Francisco
DIRETOR GERAL GRUPO CÍNICOS DE CÊNICAS - 9 prêmios na Mostra de Garanhuns 2004; 3 premios Concurso Nacional de Teresina - PI; Temporada Recife, Campina Grande, etc... Ufa. Isso cansa mesmo!

NOTA DO EDITOR: O Correio apenas, democraticamente, publicou o e-mail do leitor Marcos Tenório e agora o de Marcelo Francisco. Quem é diretor do grupo, quem conseguiu mais prêmios, quem recebeu ou não recebeu telefonema de Valdéria não é problema nosso e sim de vocês. O espaço está aberto a todos e o leitor que julgue.