Garanhuns, 31 de julho de 2004
  Início
  Colunas
  Opinião
  Política
  Cidade
  Geral
  Especial
  Cultura / Diversão
  Ed. Anteriores
  Expediente
 
GERAL
 

INSS segura economia da região

Na maioria dos municípios pequenos do Agreste Meridional as pessoas vivem na dependência da prefeitura ou das aposentadorias e pensões pagas pelo Instituto Nacional de Seguridade Social, o INSS. O órgão do Governo Federal praticamente segura a economia da região e se não fossem os benefícios pagos regularmente ao trabalhador rural muitas famílias estariam passando fome.

O INSS gasta milhões de recursos com os nordestinos. A arrecadação em muitas das cidades pequenas, no entanto, é nenhuma ou próxima de zero. Somente em Garanhuns o Instituto beneficia 20.870 pessoas, perto de 20% dos moradores do municipio. São mais de R$ 6 milhões mensalmente, para uma arrecadação de apenas R$ 1. 152.160. Para vocês terem uma idéia de quanto é injetado na ecomomia local através da entidade governamental, o FPM local em setembro do ano passado foi de apenas R$ 786.482,98.

Nos outros municípios do Agreste, os benefícios pagos pelo INSS são ainda mais importantes, uma vez que o comércio é menor, a indústria inexiste e as oportunidades de emprego são escassas. Em Bom Conselho, que tem pouco mais de 42 mil habitantes, segundo o último censo, são beneficiados mensalmente mais de 6.500 pessoas, com uma injeção de recursos superior a R$ 1,7 milhão. Lá o órgão arrecada em torno de R$ 184 mil por mês.

ARRECADAÇÃO ZERO - Em municípios como Angelim e Paranatama o Instituto de Seguridade não arrecada um centavo de real. Mais beneficia na primeira mais de mil pessoas por mês, pagando aposentadorias e pensões que chegam perto dos R$ 300 mil a cada 30 dias. No segundo, são 858 pessoas beneficiadas, com valores da ordem de R$ 210 mil, quantia superior ao FMP local.

Lajedo, que tem 32.209 moradores, segundo o último censo, recebe do INSS perto de R$ 1.800,00 todo mês, através do pagamento a 6.721 ex-trabalhadores. A arrecadação do Instituto na cidade vizinha é de R$ 163.198,00, num município que tinha um FMP em setembro passado de R$ 355.533,40. Um quadro semelhante é o de São Bento do Una: são 6.458 pessoas beneficiadas, R$ 1.624.129 em valores e uma arrecadação que beira os R$ 440 mil.

Por esse quadro fica claro a importância do Instituto de Previdência em nossa região e dá pra entender também o déficit do órgão. As aposentadorias e pensões do INSS podem até ser pequenas, mas pelo menos no que depende dos pequenos municípios do Nordeste a arrecadação é muito menor.