Garanhuns, 31 de julho de 2004
  Início
  Colunas
  Opinião
  Política
  Cidade
  Geral
  Especial
  Cultura / Diversão
  Ed. Anteriores
  Expediente
 
CIDADE
 

Postos de Saúde de Garanhuns deixam a desejar

Núbia Kênia


Criado para dar assistência mais direta as famílias, como também desafogar a demanda dos grandes hospitais, o Programa de Saúde da Família (PSF) chegou como "tábua de salvação" para tentar alavancar a precária assistência da saúde pública de todo Brasil. Mas em Garanhuns o trabalho desenvolvido pelos PSFs não estão agradando a "gregos e troianos", e ultimamente sendo alvo de muitas queixas de mal atendimento de médicos e agentes de saúde, além das reclamações de falta de medicamentos. Uma dessas dificuldades foi vivenciada de perto pela dona de casa, Verônica Vieira, que faz criticas do atendimento da médica do PSF da Cohab II, localizado na Rua 5, pois alega que a mesma não atende bem, passa o remédio errado e sequer examina o paciente. "Ela nem chega perto da gente, parece que está com nojo. Algumas vezes apenas passa o aparelho nas costas, não olha pra sua cara e logo faz a receita. E não sou só eu que reclama, a maioria das pessoas que vem aqui também dizem a mesma coisa", conta.

A dona de casa também acusa o PSF de omissão de socorro, pois, segundo ela, certa vez, veio a unidade com uma dor muito grande, e a médica disse que não ia atender, porque ela não tinha marcado a consulta. "Tive que recorrer ao Dom Moura. Acho que não custava nada ela me atender, já que era uma urgência", reclama.

Outra queixa do PSF da Cohab II, que atende cerca de mil famílias, diz respeito as filas enfrentadas para marcar a consulta para dentista. "Além de o atendimento ser péssimo, não conseguimos ficha para o tratamento, mesmo chegando muito cedo", revela a dona de casa Maria Teilma Alves.
Já o soldador Mauricio Antônio Melo, que também utiliza os serviços do PSF da Rua 5, fala que nunca encontra o medicamento passado pelo médico. "Aqui só tem xarope de alho. Essa semana receitaram um remédio pra meu filho, e mais uma vez não tinha. Mesmo sem condições tive que comprar".

Sobre as reclamações do PSF da Cohab II, inclusive sobre a falta de instalações adequadas, pois muitos pacientes dizem que o local só tem um banheiro, e que este só é disponibilizado para uso da equipe do posto, a enfermeira responsável, Paula Cristina, ressalta que o banheiro é de uso da equipe, porque a equipe passa o dia ali, não tendo outro banheiro para usar. Sendo assim, ela diz que ficou acertado que só seria utilizado pelos funcionários, já que as residências das famílias ficam perto, podendo ser facilmente usados por elas. Paula também adianta que o problema já foi visto pela prefeitura, que já pensa em ampliar a estrutura da unidade, que futuramente será a sede dos dois PSF que existem na Cohab II. Sobre a falta de medicamento, a enfermeira diz que às vezes isso acontece no final de mês, mas que logo é reposto pela Secretaria Municipal de Saúde.

O Posto de Saúde do CAIC, onde se concentra dois PSFs do bairro Indiano, é outra unidade de saúde de Garanhuns que vem sendo alvo de insatisfação de alguns pacientes. Uma das queixas mais graves, está na omissão de fazer um simples curativo, em um aluno acidentado que estuda no CAIC. "A criança caiu, se feriu na cabeça e a equipe se negou a prestar o socorro. Tivemos que arrumar um carro e levá-lo ao Hospital Dom Moura, onde esperamos horas para a criança ser atendida. Isto é um absurdo. Como é que profissionais da saúde que são instruídos a prestar assistência médica a uma comunidade, se negar a fazer um simples curativo em uma criança", desabafa uma senhora que não quis se identificar.

Mas como tem os insatisfeitos, tem pessoas que afirma que o atendimento do PSF do CAIC é bom. Isto é o que afirma a dona de casa Maria da Conceição Bezerra, que diz que tanto ela como os seis filhos sempre foram bem atendidos pela equipe da unidade de saúde e sempre encontrou os remédios prescritos. Esta é a mesma opinião de Ana Lúcia da Silva. "Sempre trago meus três filhos para serem consultados nesse PSF, e sempre somos bem atendidos. Só tenho dificuldade em conseguir uma ficha para o dentista", ressalta.

ELOGIOS- Inaugurado há cerca de 1 ano, com três médicos fazendo ambulatório, e atendendo a mais de 4 mil famílias cadastradas, o posto de saúde da Boa Vista- Mundaú, localizado perto da Rádio Sete Colinas, é uma das unidades de saúde que mais vem satisfazendo a comunidade. "Antes eu tinha que procurar médico no Dom Moura. Hoje, venho nesse posto e sou bem atendida. Estou satisfeita", elogia a aposentada Cícera Terto de Lima. Esta opinião é a mesma de outras pessoas entrevistadas durante nossa reportagem.

A enfermeira responsável pelo local, Auricilia Santos, que já trabalhou em outros PSFs, inclusive em Recife, revela que o PSF de Garanhuns é um dos mais organizados que ela viu, e que as dificuldades que existem são as mesmas que existem em qualquer PSF do Brasil. "Fazemos o melhor que podemos", afirma.