Garanhuns, 17 de julho de 2004
  Início
  Colunas
  Opinião
  Política
  Cidade
  Geral
  Especial
  Cultura / Diversão
  Ed. Anteriores
  Expediente
 
COLUNAS
 

CORREIO POLÍTICO

Roberto Almeida


A IMPORTÂNCIA DO RÁDIO

Quase cem por cento da população de Garanhuns ouve rádio. Uma fatia expressiva está ligada na Jornal, outra na Sete Colinas e Marano, muitos ouvem a Estação e ainda tem público para a Monte Sinai, a Meridional e outras que surgem através do sistema comunitário. Programas informativos como o Jornal da Sete, 1ª e 2ª Edição, o Manhã Total e o Ronda Policial, crescem de importância, principalmente numa época como esta, de política. O rádio, então, numa cidade como esta, que não tem televisão, deveria ser o instrumento máximo de democratização da informação, levando ao povo pobre, que não pode comprar jornal impresso, as notícias relacionadas com a campanha de cada candidato. Afinal está em jogo o futuro do município.

A legislação eleitoral, contudo, só permite que a população tenha informação da campanha política através da propaganda gratuita, que começa no dia 17 de agosto, e dos jornais impressos. Como todas as pesquisas realizadas no município mostram que apenas dois por cento do nosso povo lê os jornais locais (os do Recife são menos lidos ainda) significa que 98% da população não será suficientemente informada sobre a movimentação e as propostas dos candidatos. Os garanhuenses saberão das coisas apenas pelo guia eleitoral, pelos comícios, pelas propagandas nos postes e pelos out doors. Será uma informação tendenciosa, parcial e direcionada. Quem tiver mais poder econômico terá mais chances de vencer a batalha. É uma pena. Lutamos muito pela democracia e quando a conquistamos constatamos que ela é frágil, ainda contém elementos da ditadura e favorece os que já têm poder. Mas quem já passou por Médici, Geisel, Figueiredo e teve até de agüentar a vitória de Collor nas urnas não pode desanimar.

Vamos lutar pelo direito à informação. E o povo, sábio, que levou à presidência da República um ex-operário, continuará avançando e fará as escolhas certas, apesar das dificuldades colocadas à sua frente por legisladores interessados em trabalhar em causa própria e um judiciário às vezes miópe.


MÁGOA

O prefeito Silvino Andrade confessa ter ficado magoado com nota divulgada nesta coluna, na última edição do Correio, contando uma discussão que teria havido entre ele e Jorge Branco, envolvendo também o seu filho, Sílvio. Segundo o prefeito o episódio absolutamente não aconteceu e não se pode fazer política levando as coisas para o campo pessoal. O repórter Tiago Correia, do Jornal Marano, foi quem nos informou dessa "briga" entre Silvino e Jorge, que teria acontecido no Recife, na presença do senador Sérgio Guerra.


PROPAGANDA

No primeiro dia permitido por lei para se fazer propaganda política, ruas e avenidas como a São Miguel, José Leitão, Santo Antônio e Rui Barbosa amanheceram cobertas de cartazes de Luís Carlos e Bartolomeu Quidute. O candidato do PMDB ocupou mais postes, mas o adversário, do PTB, "pintou" com um material de melhor qualidade, do ponto de vista do marketing.


AUSÊNCIA

Muita gente estranhou que Givaldo Calado e Jorge Branco, da coligação PPS/PFL não tenham colado uma fotografia sequer, na primeira semana de campanha. Os analistas locais acham que perder sete dias, em política, pode representar muita coisa em termos de votos.


AUSÊNCIA II

O candidato do PT, promotor Alexandre Bezerra, também não mostrou a cara nos postes, nos primeiros dias da campanha eleitoral. Em compensação está fazendo um corpo-a-corpo danado pelos bairros da periferia, para compensar a falta de recursos.


VENCER

Apesar de não contar com os mesmos recursos de Luís Carlos e Bartolomeu, o pós-socialista Givaldo Calado continua convencidíssimo que irá vencer a eleição de três de outubro. Durante o Festival, nos camarotes, sempre que encontratava um jornalista ou radialista o vereador mandava anotar: "pode escrever aí, eu vou ser o prefeito de Garanhuns..."


PESQUISAS

Pesquisas realizadas na cidade, por encomenda do prefeito Silvino ou do deputado estadual Izaías Régis, trazem às vezes resultados contraditórios. Em todas Bartolomeu Quidute fica em primeiro lugar, mas tem levantamento que mostra Luís Carlos como principal adversário do petebista e tem pesquisa acenando que Givaldo é o segundo.


MORDAÇA

Por conta da legislação eleitoral surrealista, os informativos das rádios de Garanhuns estão sendo forçados a dar noticias políticas de São Paulo, Recife, Caruaru ou qualquer outra cidade brasileira. É o cúmulo do absurdo: o eleitor local pode ficar por dentro da campanha de qualquer cidade, menos da sua.


OTIMISMO

Otimista, o prefeito de Caetés, Zé da Luz, acredita que em termos proporcionais vencerá o peemedebista Edinaldo Puça, seu adversário na eleição do município vizinho, por um percentual maior do que o de quatro anos atrás.


DESISTÊNCIA

Marcos Viana, vereador de Jupi, desistiu de concorrer à prefeitura de Jupi pelo PT, depois que o ex-prefeito Vavá Protásio retirou o apoio a sua candidatura. Sem opções, Marquinhos terminou anunciando a adesão a Adalberto Teixeira Filho, o Betinho, que enfrenta Padre Ivo.


A ONDA

Na campanha de quatro anos atrás, em Capoeiras, a onda favoreceu totalmente o candidato do PFL, Maurílio Rodolfo, o Nenen. Mas agora a onda virou, Dudu passou a ser a novidade, e a reeleição do pefelista fica cada dia mais difícil.


DEBATES

A equipe de jornalismo da FM Sete Colinas está programando três debates entre os cinco candidatos à prefeitura de Garanhuns. Deverão ser realizados no final de julho, final de agosto e de setembro. Luciano Andrade, Fernando Rodolfo e este colunista estarão mediando os programas.


GUIAS ELEITORAIS

Os candidatos à prefeitura de Garanhuns praticamente já definiram os nomes dos profissionais que irão produzir os seus programas eleitorais no rádio. Luís Carlos, do PMDB, deve contar com o trabalho de Marcelo Jorge, Luciano Andrade, Marcos Antônio, Carlos Eugênio e Renata Amaral. O petebista Bartolomeu Quidute terá em sua equipe o Edson Miranda, Edy Carlos, Lenildo Ramos, Simão Silva, Ronaldo César, Ionara Silva, Roberto Almeida e Aluízio Alves. Givaldo Calado, do PPS, contará com Marcos Cardoso, Tiago Correia, Carlão e possivelmente o reforço do experiente Rui Sarinho, da Sintonia, no Recife, pra quem não sabe o responsável pela instalação da Rádio Papacaça, de Bom Conselho. O promotor Alexandre Bezerra, do PT, também tem bons profissionais em seu time: Rocir Santiago, Fernando Rodolfo e Fitippaldi. Cássia Amaral, ex-Estação Sat, pode ser a voz feminina no guia dos petistas. O candidato do PSTU, Paulo Camelo, que terá apenas um minuto no rádio, irá optar por uma produção mais simples e caseira, sem estrelas.