Garanhuns, 3 de julho de 2004
  Início
  Colunas
  Opinião
  Política
  Cidade
  Geral
  Especial
  Cultura / Diversão
  Ed. Anteriores
  Expediente
 
ESPECIAL
 

Governo começa a duplicar mais 19km da BR-232 em julho

No próximo mês, o governador Jarbas Vasconcelos estará em Caruaru para anunciar o início das obras de duplicação dos 19 quilômetros da BR-232 entre Caruaru e São Caetano e a implantação do gasoduto que vai levar gás natural às indústrias do pólo de confecções, formado pelos municípios de Caruaru, Toritama e Santa Cruz do Capibaribe.

O Governo do Estado já iniciou o processo de desapropriação das áreas às margens da rodovia. As obras nos 19 quilômetros da via principal e mais de 50 quilômetros de vias de acesso local e outras pequenas intervenções ao longo do trecho estão orçadas em R$ 82 milhões.

A implantação de 120 quilômetros de gasoduto, entre o Recife e Caruaru, está prevista para iniciar em agosto. O investimento é de R$ 80 milhões. "Essa obra vai facilitar a vida da indústria e do comércio local e estimular empresários que queiram se estabelecer nessa região, gerando renda e emprego para a população", disse o Governador.

Artesanato Quando foi a Caruaru para os festejos juninos, Jarbas esteve no município de Bezerros para uma visita ao Centro de Artesanato de Pernambuco, inaugurado em abril do ano passado. Nesses 14 meses, o Centro já comercializou mais de R$ 200 mil em peças dos artesãos da região. E nesse mesmo período, mais de 25 mil pessoas visitaram o espaço, sendo 5% de turistas de outros Estados e 2% de estrangeiros.

No local, onde estão expostas peças de mais de 200 artistas de 20 municípios do Estado, Jarbas foi recepcionado por diversos artesãos. "Comparo a instalação do Centro de Artesanato a uma fábrica de automóveis, porque gerou emprego e deu a oportunidade de nos identificarmos e termos prazer de dizer que somos artesãos", disse "Lula Vassoureiro", pioneiro na confecção de máscaras de papangu.

"Artesãos que não conseguiam vender nenhuma de suas peças dentro de Bezerros, hoje, comercializam grande parte da produção através do Centro e garantem seu sustento. Esse foi um investimento feito realmente para atrair o turista e as pessoas que gostam do artesanato popular", testemunhou o artesão e cordelista J. Borges.

De acordo com a gerente do Centro de Artesanato, Rosa Soares, a implantação do estabelecimento permitiu aos artesãos pernambucanos ampliar os seus contatos com lojistas de todo o Brasil e de outros países. "Hoje os artesãos não expõem apenas aqui, mas em vários espaços existentes em Pernambuco e têm a garantia de mercado para o escoamento dos seus produtos", ponderou.