Garanhuns, 3 de julho de 2004
  Início
  Colunas
  Opinião
  Política
  Cidade
  Geral
  Especial
  Cultura / Diversão
  Ed. Anteriores
  Expediente
 
COLUNAS
 

COLUNA DE ULISSES

Ulisses Pinto


SUCESSÃO - Deixamos para outros colunistas, inclusive do caro editor e jornalista formado, Roberto Almeida, escrever com maiores detalhes a marcha da sucessão municipal desta terra do "clima maravilhoso" e da "garoa". Certos, com Convenções aprovadas, eis os nomes já "badalados" ao cargo de prefeito com os seus companheiros de chapa: Givaldo Calado (PDT) - Jorge Branco Neto (PFL). Bartolomeu Quidute (PTB) - Gedécio Barros (PDT). Luiz Carlos (PMDB) - Almir Penaforte (Partido Progressista). Paulo Camelo (PSTU) - Ubirajara Silva; e Alexandre Bezerra (Partido dos trabalhadores) - Ielma Lucena (Partido Liberal).

Após a aprovação dos candidatos a prefeito, vice e vereador pela Justiça Eleitoral, começa a "hora da onça beber água".

Achamos que muita baixaria vai ocorrer nessa eleição. Contudo, o eleitorado saberá tomar suas decisões no dia 3 de outubro e naturalmente não está tomando conhecimento de pessoas sem caráter que usam desses experientes anônimos.


LUIZ TAVEIRA - Em abril deste ano o vereador Luiz Taveira, afirmou a este colunista, na Câmara, que Gedécio Barros seria o candidato a vice do médico Bartolomeu. Acertou em "cheio". A seu pedido, guardamos segredo. Não é de nosso feitio dar publicidade quando o anunciante pede para não sair nada, para "não atrapalhar" o processo político-eleitoral.


FEZ BEM - A amiga de longa data, Maria Almeida, eficiente diretora do Colégio Santa Joana D'Arc, não aceitou ser vice do prezado Adolfo Lopes.

Ela tem uma bonita estrada a percorrer, a qual é o progresso do seu educandário com mais de 19 anos de existência. Há tempos a filha de Capoeiras falou a este "cara" que escreve esta coluna "que não seria candidata a nenhum cargo eleitoral". Cumpriu a promessa.


PESQUISAS - O intituto de pesquisas "Em Data", do Recife, publicou no Diário de Pernambuco (27-06), levantamento com o seguinte resultado: João Paulo (PT), 31%; Cadoca (PMDB), 23% e Joaquim Francisco, 22%. Outros menos votados: Marcos de Jesus, 2%. Conde, 2% e Raul Jungmann, 2%.

No Recife, o pleito vai ao 2º turno e ninguém poderá dizer qual será o futuro prefeito. Sabemos de uma coisa: os três nomes, são bons de voto, honrados, trabalhadores e honestos. Aliás, tem sido há anos na capital do estado, uma "constante", entre os que foram prefeitos, inclusive um Pelópidas Silveira, Augusto Lucena, Miguel Arraes, José do Rego Maciel, Antônio Farias entre outros, muitos já falecidos.


DOM EXPEDITO - Saíram no dia 21 de junho matérias sobre o trucidamento de Dom Expedito Lopes que faleceu na madrugada do dia 2 de julho de 1957, em Garanhuns. Na época, éramos correspondentes do Diário de Pernambuco. No trabalho começa dizendo "O Vaticano deu sinal verde para o processo de canonização de Dom Francisco Expedito Lopes, bispo de Garanhuns (PE) morto a tiros em 1957 pelo padre Hozana de Siqueira e Silva, a quem ameaçara de suspensão por má conduta moral. O padre era suspeito de ter um romance com uma moça, sua suposta parente, em Quipapá, cidade onde era vigário". Na nota afirma que o nosso bispo Dom Irineu Roque Scherer, reabriu o processo de canonização e instalação de um tribunal eclesiástico, junto ao Vaticano. No Commercio e Diario, falam de Ulisses Pinto ter achado a bala que perfurou o braço esquerdo do querido mártir da nossa Igreja católica, mais ou menos às 19 horas do dia 1º de julho, no Palácio Episcopal, onde o bispo recebeu de repente, três tiros de revólver 32, pelo padre Hozana, que em 1987, foi morto a pauladas (eixo de carros de boi) no seu sítio, em Correntes, onde nasceu.

Por isso, fomos testemunhas assim como o mano Aluísio Pinto que socorreu o bispo na sua caminhonete em companhia do nosso ex-editor do "Diocesano", monsenhor José de Anchieta Callou, então vigário geral da Diocese.

Na hora do nosso depoimento, mentimos. Pois afirmamos ao escrivão "que tinha perdido a bala"... Nesse mesmo dia, no Fórum, ele afirmou: "olhe tenho certeza que você está com a bala", "Eu faria a mesma coisa, pois terá muito valor histórico"! No Dom Moura, dom Expedito, foi socorrido pelos Drs. Pompeu Luna, Godofredo Barros e especialmente pelo nosso querido parente médico o Thoniel Furtado Gueiros, que estava de plantão. Aliás assistimos a morte ao lado de Wilson da Mota, de João de Assis Moreno (Dão) que era vereador de São João, distrito na época de Garanhuns (pai de Sônia Moreno).

Nos livros "A Bala e a Mitra", de denodada amiga ecsritora Ana Maria César e "A Confissão do Padre Hosana", da morena Taiza Brito, outra escritora de valor, tratam do assunto, inclusive do "achado" do projétil. Tudo isso é e fará sempre parte da história da nossa "bela e florida Garanhuns" (Artur Maia)

A propósito, a TV Globo, esteve em nossa casa e filmou este colunista mostrando o projétil, no dia 29 último, o jornal falado à tarde, falaram sobre o assunto, o bispo Dom Irineu e o dr. Valderedo Veras, filho de Correntes, mostrou uma calça de Dom Expedito, que ele arranjou ainda melada de sangue, na época. O distinto amigo, ex-aluno do nosso "Diocesano" é figura honrada e por longos anos foi dentista em nossa cidade. Nota 10 para a rede Globo (Jornal Nacional).