Garanhuns, 19 de junho de 2004
  Início
  Opinião
  Política
  Cidade
  Geral
  Especial
  Cultura
  Sociedade
  Ed. Anteriores
  Expediente
 
OPINIÃO
 

Papéis Invertidos


Parece brincadeira. Cenas da pior novela mexicana. Beirando o absurdo. Exagero? Não. Apenas a triste realidade. Senão vejamos:

Bartolomeu Quidute. Salários atrasados ao deixar a prefeitura. Obras inexpressivas e inacabadas, como as lagoas da Cohab II. Trouxe a sua família e a de sua eposa para a prefeitura. Contas rejeitadas. Superfaturamento. Ilícitos em licitações. TCE determina a devolução de aproximadamente R$ 100.000,00 (Cem mil reais) à prefeitura. Agora, está pintando de bom moço, chegando a afirmar que não cometerá os erros do passado. Lembrem-se: pau que nasce torto, morre torto.

Izaías Régis. Falastrão. Brigão em todos os sentidos. Ainda não justificou ter sido eleito. Utiliza-se do SESI para tudo, principalmente, para se promover politicamente. Deveria ter mais cuidado ao chamar os outros de laranja. Prometeu dois mil empregos. Apesar de muito íntimo do presidente da Confederação Nacional das Indústrias, nunca trouxe uma das indústrias que prometeu. Aliás, prometer é com ele mesmo.

José Carlos dos Santos. Vulgo: Cacau. Votou contra a revitalização da Av. Rui Barbosa, da Praça Guadalajara, e do recapeamento asfáltico de várias ruas da cidade. Votou contra a vinda de vinte e cinco milhões de reais, ou seja, contra obras em todos os cantos da cidade. Por quê? Medo. Egoísmo. Interesses próprios. Enquanto tinha carros locados à prefeitura, elogiava o prefeito. Ah! Deve ser por isso que está louco para ter um prefeito do seu lado. O dinheiro encurtou, mas pode aumentar. Acha pouco ser vereador.

Gedécio Barros, família grande e respeitada. Aproveitador. Crítico da administração municipal. Porém, tenta pegar carona em muitas de suas ações. Engraçado. Também votou contra a vinda de recursos, dos quais doze milhões já foram liberados pelo Governo Federal. É capaz de dizer que as obras realizadas com esses recursos foram por ele requeridas. Mais engraçado ainda.

Givaldo Calado deve ficar. Depois de criticar bastante o governo municipal, ainda queria o seu apoio para se candidatar. Afirma ter sido preterido pelo prefeito. Se isso realmente ocorreu, teve a oportunidade de dar um tapa de luva nele. Mas, preferiu votar contra a vinda de tais recursos, assim como fez na votação da revitalização da Av. Rui Barbosa, da Praça Guadalajra, e do recapeamento asfáltico de várias ruas da cidade. Pensou pequeno. Olhou para si mesmo. Característico dele.

Audálio merece destaque. Sinistro. O Prefeito demonstrou o interesse em ampliar ainda mais a FAGA, visto esta inexistir na administração de Bartolomeu. Para isso, a faculdade passaria também a funcionar no colégio Municipal, prédio que seria doado à prefeitura. Rapidamente, o Audálio apresentou projeto de lei proibindo a doação de prédios públicos à prefeitura de Garanhuns. Agora, defende que a prefeitura pague um ônibus para levar estudantes para estudarem em Caruaru. Não seria melhor se juntar ao prefeito para tentar ampliar a FAGA, trazendo outros cursos? Com certeza. Impressionante. Decorem. Esses nomes não podem ser esquecidos. Para eles, vale tudo para se chegar ao poder. Ao invés de defender os interesses públicos, ao ocupar um cargo dessa natureza, defendem o que for melhor para as próximas eleições, pois com menos dinheiro, Garanhuns deixa de crescer e deixa de ficar mais bonita. O desemprego aumenta, pois deixou de circular dinheiro. Ideal? Sim. Pois para a oposição vale o seguinte: quanto pior, melhor!

Aguardando a publicação dessas singelas palavras, como assim já fez o redator deste jornal, espero também a criação nesta cidade de um movimento organizado, não contra o prefeito, nem contra um presídio que ninguém se lembra que o mesmo existe, mas a favor de Garanhuns, eliminando de seu quadro político aqueles que, em vez de contribuir, apenas envergonham nossa cidade.

Em sendo publicados estes pensamentos, voltarei a escrever sobre as demais ilustres figuras políticas deste município.



Silvio, morador do bairro de Heliópolis, agora com mais vinte e duas ruas calçadas, inclusive a minha.