Garanhuns, 19 de junho de 2004
  Início
  Opinião
  Política
  Cidade
  Geral
  Especial
  Cultura
  Sociedade
  Ed. Anteriores
  Expediente
 
ESPECIAL
 

Motos: pesquisa revela que 25% das vítimas ficam mutiladas

Entre os meses de janeiro e junho deste ano, 2.149 motociclistas deram entrada nos Hospitais da Restauração, Otávio de Freitas e Getúlio Vargas. Os dados, coletados entre os dias 01/01 e 08/06, serviram como base de um estudo preliminar que será realizado ao longo deste ano fruto de uma parceria entre as Secretarias de Saúde e InfraEstrutura (DETRANPE) para a campanha Motos : Mais atenção, menos acidentes.

O objetivo da pesquisa, coordenada pelo Dr. João Veiga, do Hospital da Restauração, é rastrear exatamente qual o perfil das vítimas de acidentes com motocicletas, identificar se estes eventos se tratam de acidentes de trabalho, o período de internamento e, por conseguinte, os custos do tratamento e identificar também quais outros motivos comportamentais estariam influindo para o alto índice de ocorrência deste tipo de acidente (além do aumento da venda de motocicletas). Os dados servirão de base para a intensificação de ações preventivas de educação de trânsito junto a este público.

De acordo com o Dr. João Veiga, as vítimas pesquisadas apresentaram, em média, 21 dias de internamento e, juntas, ocupam quase 30% dos leitos de traumatologia destes hospitais.
Os dados revelaram que 40% das vítimas estariam utilizando o veículo a serviço, mas que apenas 25% do total das vítimas possuem carteira assinada. O dado mais grave apresentado nos levantamentos preliminares, entretanto, foi a constatação de que 25% destas vítimas sofrem mutilações.

A campanha Motos : Mais atenção, menos acidentes é uma iniciativa do Governo do Estado e consiste numa série de ações educativas junto a concessionárias, Centros de Formação de Condutores, empresas que trabalham com entrega de produtos feita por motociclistas, blitze educativas e ações institucionais junto aos diversos setores envolvidos na questão.

Na última década, a frota de motocicletas saltou de 33.381 motos registradas em 1990 contra 219.970 veículos do gênero registrados no Estado em 2003. Em Pernambuco, as motos representam 20,07% da frota e os condutores habilitados para pilotar motocicletas em Pernambuco somam 291.739 pessoas, representando 29,06% do total de condutores habilitados no Estado. No último ano, 37.527 pessoas habilitadas na categoria "A" cometeram algum tipo de infração nas vias do Estado.

O perfil do motociclista atendido na rede de saúde é típico de quem utiliza o veículo profissionalmente: são, em sua grande maioria, homens jovens com escolaridade média. Além do impacto no sistema de saúde, os acidentes com motocicletas têm se tornado um problema social: durante o período de recuperação - mais longo do que o da vítima de trânsito usual o condutor fica afastado do mercado de trabalho.