Garanhuns, 19 de junho de 2004
  Início
  Opinião
  Política
  Cidade
  Geral
  Especial
  Cultura
  Sociedade
  Ed. Anteriores
  Expediente
 
CIDADE
 

Piora o transporte público de Garanhuns

Mudanças realizadas recentemente no transporte público de Garanhuns conseguiram piorar ainda mais o já criticado sistema, monopolizado pela São Cristóvão. Com aval da prefeitura, a empresa alterou o terminal dos ônibus da Vila do Quartel, Indiano e Cohab I, que passou da Praça Jardim para a Praça Irmãos Miranda.

Com a alteração, a Praça Irmãos Miranda, que já é apertada, ficou congestionada de ônibus, pedestres, passageiros, barraqueiros e ambulantes, que trabalham mesmo nas paradas dos coletivos. Virou uma balbúrdia e na maioria das vezes o usuário tem de esperar o transporte no sol ou na chuva. Pra completar, com todos os ônibus trafegando pela Avenida Santo Antônio o trânsito no centro ficou com o fluxo prejudicado.

Nos subúrbios, a São Cristóvão reduziu o número de ônibus que servem alguma linhas, prejudicando moradores da Cohab I e Vila do Quartel, por exemplo. No bairro da Brasília, a empresa trocou o ônibus grande por dois micros que também não estão agradando a população. "São apertados e não dá nem pra levar pacote", se queixa a senhora Severina Silva, que às vezes faz compras na Ceaga.

Segundo um comerciante do centro da cidade as reclamações contra as mudanças no sistema de transporte são generalizadas e podem até prejudicar a candidatura de Luiz Carlos Oliveira à prefeitura. "Eu sou eleitor do prefeito, mas estou vendo a grita do pessoal", disse o cidadão. Ele informou ainda que uma senhora do bairro da Brasília, grávida de oito meses, foi obrigada a passar na catraca do microônibus (que tem apenas uma porta) e passou mal. "Caso ela tenha complicações o marido está disposto a entrar com uma ação contra a prefeitura e a empresa", avisou.

Recentemente, no Jornal da Sete 1ª e 2ª Edição, moradores da cidade criticaram a São Cristóvão, que inclusive estaria demitindo funcionários. O gerente da empresa, Adeilton Oliveira, disse que toda mudança no começo gera insatisfações, mas que depois a população assimila. Ele prometeu ainda que o sistema de bilhetagem eletrônica, que está para ser implantado, não irá gerar mais desemprego no município.