Garanhuns, 05 de junho de 2004
  Início
  Opinião
  Política
  Cidade
  Geral
  Especial
  Cultura
  Sociedade
  Ed. Anteriores
  Expediente
 
POLÍTICA
 

Articulações entre PPS e PTB não preocupam Gedécio

Depois de um bom tempo sem novidades, o quadro político de Garanhuns começa a se definir. Diante das especulações quanto às alianças dos partidos para a disputa do pleito, o possível acordo entre o vereador Givaldo Calado (PPS) e o ex-prefeito Bartolomeu Quidute (PTB), vem mexendo com o panorama da sucessão municipal de 3 de outubro.

Givaldo vem sendo cotado para compor a chapa com Quidute, ocupando o cargo de Vice-prefeito do grupo liderado pelos deputados Armando Monteiro e Izaías Régis. O grande entrave dessas negociações é o PDT, pois é grande a expectativa dos seus filiados, e de partidários petebistas, para que a legenda componha a chapa com Bartolomeu, tendo o vereador Gedécio Barros como Vice. Em entrevista a reportagem do Correio, o vereador Gedécio Barros disse que o PDT é um grande partido, e que possui quadros qualificados para sair em faixa própria, caso as negociações com o PTB não tenham êxito. "O PDT é um dos maiores partidos de Garanhuns, tendo em seus quadros, o Vice-prefeito do Município, dois vereadores, ex-vereadores, um ex-secretário municipal, além de um excelente quadro de pré-candidatos a vereador e filiados, e as decisões quanto às alianças serão tomadas mais adiante. Todavia, temos condições de sair para a disputa formando uma chapa dentro do partido", destaca Gedécio.

O vereador pedetista revela que a legenda está em conversação com outros partidos, e que poderá compor uma grande aliança, mesmo que as negociações com os aliados de Izaías não se concretizem. "Não estamos preocupados com essas especulações em torno da uma aliança entre o PPS e o PTB. Nós estamos conversando não só com o PTB, como também com o PC do B e PSB e outros partidos (...); e na hora das convenções saberemos qual o caminho que o partido seguirá", argumenta Gedécio, que diferentemente das especulações, diz que o PDT está unido, e qualquer que seja a decisão do diretório será acatada pelos pré-candidatos. "O PDT é um bloco unido, e as decisões do diretório contam com o total consenso dos filiados, mostrando a nossa força política, pois não seremos massa de manobra de outras legendas, faremos as composições, desde que sejam aproveitadas as nossas qualidades", finaliza Gedécio Barros.