Garanhuns, 22 de maio de 2004
  Início
  Opinião
  Política
  Cidade
  Geral
  Especial
  Cultura
  Sociedade
  Ed. Anteriores
  Expediente
 
POLÍTICA
 

Começa definição do quadro político no Agreste

Faltando pouco mais de um mês para o encerramento do prazo da realização das convenções partidárias, o quadro político começa a se definir na maioria das cidades da região. Só em Garanhuns existem 10 pré-candidatos à prefeitura, alguns deles sem a menor chance de conquistar o lugar de Silvino Andrade. É possível que metade deles desista ou entre numa composição com os mais fortes, restando ao final cinco ou seis candidaturas.

Os nomes que se colocam na praça, no momento, são os seguintes: Bartolomeu Quidute (PTB), apoiado por Izaías Régis e Armando Monteiro; Luiz Carlos de Oliveira (PMDB), candidato do prefeito Silvino; Givaldo Calado (PPS), corre por fora com respaldo do PP e uma parte do PSDB; Alexandre Bezerra (PT), fará composição com o PL e possivelmente o PSB; Márcio Quirino e Gedécio Barros, disputam para ver quem sai candidato pelo PDT.

Insistem ainda em ser candidatos, embora nunca tenham aparecido bem nas pesquisas, o empresário Jorge Branco (PFL), Adolfo Lopes (PV), Severino Vieira (PSTU), Paulo Camelo (PSTU) e Marlos Duarte, do PSB, este último o único que admite abertamente estar aberto ao entendimento com outros partidos e que poderá disputar uma vice ou mesmo o mandato de vereador.

NO AGRESTE - Na região, o quadro caminha para uma definição em Lajedo, onde o candidato mais provável do prefeito Antônio João Dourado (PDT) será o médico Rômulo Tenório, embora outro aliado e também médico Pedro Melo queira também o lugar. O deputado Adelmo Duarte (PFL) ainda não decidiu se enfrenta outra vez o grupo dos Dourado.

Outro importante colégio eleitoral do Agreste é Bom Conselho, governada hoje por um médico novato na política, Daniel Brasileiro, que se saiu tão mal em sua gestão que possivelmente não irá nem concorrer à reeleição. Segundo Carlinhos da Prata, assessor do deputado estadual Izaías Régis, que ajudou com algumas informações nesta matéria, a disputa na terra do Papacaça será entre o ex-prefeito Gervásio Matos (PSDB) e Hélio Urquisa (PMDB). Este último poderá contar inclusive com o apoio do ex-prefeito Audálio Ferreira.

São Bento do Una, governada pelo pefelista Paulo Afonso, terá este como candidato à reeleição, enfrentando Padre Aldo (PMDB) e possivelmente o empresário José de Almeida (PSDB). Há ainda uma possibilidade de sair um candidato do PTB, que poderá ser o ex-vererador Abdoral Valença ou o advogado João Campos. Mas os petebistas podem compor com o nome apresentado pelos tucanos.

FAVORITOS - Os maiores favoritos para vencer a eleição nessa parte do Estado estão em Caetés, quando Zé da Luz (PT), tentará um segundo mandato seguido. O seu adversário será mais uma vez o peemedebista Edinaldo Puça, que apesar dos apoios do ex-prefeito Lindolfo Almeida, do ex-vice prefeito Uziel Muniz, do médico Fernando Rezende e do grupo de Rafael Brasil, só vencerá se ocorrer uma zebra.

Mais tranquila ainda será a situação de Marquidoves Vieira, que disputará a reeleição em Lagoa do Ouro e possivelmente mais uma vez será candidato único. "Lá a gente não conseguiu fazer nem a comissão provisória do PTB", disse Carlinhos, quando perguntado se o seu partido teria candidato em Lagoa do Ouro.

Nas vizinhas Brejão e Teresinha a eleição também deve ser barbada. Na primeira o nome mais cotado para ter o apoio de Sandoval Cadengue (PSB), é o soldado Joseraldo, seu segurança particular. Para enfrentá-lo se fala no nome do coronel Barros (PFL) e a turma governista já faz brincadeira: "O soldado vai vencer o coronel", andam dizendo. No segundo município citado neste parágrafo, Esaú Gomes (PFL) disputa como grande favorito e pode até, como acontecerá em Lagoa do Ouro, não ter adversário.

NOVIDADES - As maiores novidades da política do Agreste Meridional, este ano, surgem nos municípios de Capoeiras e São João. No primeiro o empresário Claudino de Souza, o Dudu (PSDB), ameaça a reeleição do pefelista Maurílio Rodolfo, o Nenen, mas de todo jeito, por enquanto o prognóstico é de que será uma disputa dura. No segundo, o prefeito Antônio de Pádua (PSB), que terá como candidato o ex-secretário de Obras, Genivaldo Carvalho, poderá perder a hegemonia por conta da candidatura do médico Pedro Antônio Barbosa, do PMDB.

Em Angelim mais uma vez a disputa será voto a voto, envolvendo o atual vice-prefeito, Josemir Miranda, e o candidato do PT, Samuel Salgado, que terá o apoio do seu partido e do deputado Izaías Régis, a quem deu uma votação expressiva na última eleição.

Paranatama, a 19 km de Garanhuns, terá este ano três candidatos: Reginaldo Leonel (PSB), filho do ex-prefeito João Leonel e que será apoiado pelo atual prefeito, Chau Roldão; o vice José Teixeira rompeu com Chau, se filiou ao PTB e hoje é apontado como favorito numa disputa, que terá ainda o pefelista Valmir do Leite, embora os petebistas sonhem em ter Valmir na vice de Zé Texeira.

Em Saloá a disputa será entre o candidato de Rivaldo Alves (PSB), o seu sobrinho Ricardo e o popular Zé do Leite (PTB), representante do grupo Bezerra, que perdeu a última eleição por menos de 20 votos. Um terceiro nome, Nego de Anísio (PP), corre por fora, sem as mesmas chances.

Jupi, governada por Padre Ivo (PST), terá o sacerdote tentando um novo mandato contra Adalberto Bezerra Filho, o Betinho (PMDB), numa disputa que promete. Todos os políticos tradicionais estão contra o religioso, que ainda assim lidera as pesquisas. O vereador Marcos Viana, ex-aliado do padre, tenta viabilizar sua candidatura pelo PT.

Carlos Amorim (PMDB) será candidato à reeleição em Canhotinho, tendo como principal adversário Álvaro Porto (PFL/PTB). Quipapá, a quase 90 km de Garanhuns, já chegando na Zona da Mata, terá na disputa o ex-prefeito Reginaldo Muniz e o ex-secretário municipal José Jorge, apoiado por padre Djalma, que se prepara para em 2006 tentar um mandato de deputado.

DIFICULDADES - Vale citar ainda os pré-candidatos de Iati e Correntes, duas cidades também na área de abrangência de Garanhuns. Na primeira, Luiz Tenório (PFL) terá dificuldades para emplacar o nome do sobrinho Ernani, uma vez que o contador Antônio de Lula (PTB), dessa vez está bem cotado. O PMDB também deve entrar na disputa com o ex-prefeito Manoel de Odete, uma pessoa bem quista no município.

Ronaldo Amaral (PFL) é favorito em Correntes, por conta do poder econômico e dos apoios do prefeito Nivaldo Lúcio e do deputado Romário Dias. Mas Aristarco Camelo (PT) e Edmilson Bahia (PTB) não estão entrando na corrida para brincadeira. O petista é o vice-prefeito e o petebista foi o vereador mais votado na última eleição, tendo conquistado 10% dos votos proporcionais do município.

No pequeno município de Jucati o prefeito Gerson já está no segundo mandato e não poderá concorrer. Ainda não definiu quem será seu candidato e correm informações de que poderá colocar uma sobrinha na campanha. A oposição tem como candidato o comerciante Edinaldo, filiado ao PTB e aliado do deputado Marcantônio Dourado.