Garanhuns, 22 de maio de 2004
  Início
  Opinião
  Política
  Cidade
  Geral
  Especial
  Cultura
  Sociedade
  Ed. Anteriores
  Expediente
 
OPINIÃO
 

Presidentes cachaceiros

Rafael Brasil


Ultimamente a cachaça tem permeado o noticiário político, não só nacional, mas também internacional. Ademais, a popular branquinha genuinamente nacional, tem ganhado os mais diversos mercados, sobretudo o europeu. Até a caipirinha, foi recentemente classificada como o drinque do século. Na Alemanha, a mistura de cachaça, açúcar e limão, custa a bagatela de 15 euros. E não dá para quem quer. Realmente, considero os bebedores de uísque uns idiotas, pois cachaça é muito melhor. E ainda combina com os mais variados cardápios, como sarapatel, buchada, galinha à cabidela e outras guloseimas mais. E, convenhamos, cachaça é, na minha opinião a melhor bebida destilada, ganhando de goleada também para o rum e a vodka. Como vêem, sou um cachaceiro nato. Viva a cachaça e os efeitos dela!

Ainda mais que, convenhamos, os abstêmios são uns chatos, quando não pessoas insensíveis, irritantemente racionalóides. São geralmente moralistas, quando não fundamentalistas religiosos. São uns conformistas, claro, com raríssimas exceções. Claro, prefiro os bêbados, que, tirando os tradicionais chatos, são mais humanos, podemos dizer assim. São mais sentimentais, amorosos, e sinceros. Já dizia um antigo ditado , se não me engano italiano, versado em latim, "in vino, in veritas", ou seja, no vinho a verdade. O sujeito, se não bêbado, mas alto, deixa fluir muito mais seus sentimentos, é mais solidário, enfim, torna-se mais humano. E, não devemos esquecer que, os piores tiranos da face da terra, eram resolutamente abstêmios, como Napoleão, Stálin e Hitler, só para ficarmos nestes exemplos. Hitler, além de abstêmio, era antitabagista, por isso ele é considerado o patrono dos chatos antitabagistas, eternos perseguidores dos pobres fumantes desta terra suja e poluída pela fumaça dos carros.

Porém, a polêmica em questão, é que um jornalista americano escreveu num dos mais importantes jornais de lá, que Lula gosta de tomar umas cachacinhas. Quem não sabe disso? E aliás essa é uma das suas qualidades, ora bolas, e nesse sentido me identifico plenamente com ele. E, diz-se que o jornalista escreveu a matéria tomando umas cervejinhas, na beira da praia. Menos mal. Mas por que esse moralismo, e essa reação indignada de muita gente, sobretudo os cachaceiros do governo? E ainda pior, a reação do próprio governo , que atirou no próprio pé, ao tentar expulsar o jornalista, fazendo uma tremenda tempestade em copo d'água. Que coisa! Os stalinistas mostrando as unhas, querendo cercear a liberdade de imprensa, ridicularizando o país perante um mundo perplexo com tanto besteirol. E ainda veio um deputado petista na televisão dizendo que o artigo foi um desrespeito à dignidade e soberania nacionais. Nunca vi tanta besteira e despreparo político. Bêbado que é bêbado, não faz tanta besteira. Que coisa!

E quem ficou mais arretado mesmo foi Lula, mantendo firme sua posição em expulsar o jornalista. Ademais, se Bush fosse tentar processar os jornalistas brasileiros que falam cobras e lagartos dele, não governaria. E, aliás eles estão ligando mesmo para nós, que, por essas e outras, continuamos no mais firme atraso. E o mundo deve estar rindo do Brasil, e corroborando a famosa idéia de que, definitivamente não somos um país sério. Se nada tivesse feito, o assunto já estaria esgotado, e no nascedouro. Mas este governo insiste em fazer besteiras. Lula deveria ter dito, mais ou menos assim: eu bebo sim...estou vivendo e governando...ou mesmo como o finado Jânio Quadros, que ao ser indagado porque bebia afirmou: bebo porque é líquido. Se fosse sólido come-lo-ía.

Mas o pior mesmo para Lula é que ele vai ter que tomar suas cachaças cada vez mais escondido. Sugiro que ele venha para Caetés, tomar umas caninhas com buchada, fantasiado de camponês. É uma idéia, ora bolas. Mas quem manda ser assessorado por essa turba de stalinistas, muitos deles asquerosos abstêmios?