Garanhuns, 22 de maio de 2004
  Início
  Opinião
  Política
  Cidade
  Geral
  Especial
  Cultura
  Sociedade
  Ed. Anteriores
  Expediente
 
COLUNAS
 

HUMOR

Raulzito


Eu bebo sim

Sinceramente, eu não entendi essa tempestade em copo d'água por conta de uns tragos a mais do presidente da República. Americano é fresco mesmo e não tem a menor noção de como é gostoso tomar um gole de cahcaça com limão, caju ou acompanhado de um gostoso caldinho de feijoada. Pode entender de cinema e de invadir país pobre, mas nessa área aí, de bebidas alcóolicas, eu sou mais eu, Lula e Jarbas Vasconcelos.

Quando eu era criança, costumava ouvir no rádio uma música cantada pela Eliseth Cardoso, que Deus a tenha. "Eu bebo sim, estou vivendo, tem gente que não bebe está morrendo", pregava a grande cantora. Verdade que o álcool já matou muita gente, porém também é verdade que paia Arráia já está com quase 90 anos de idade, fuma que só um gambá, não dispensa uísque escocês e está lá, no Congresso Nacional, em Brasília, pensando com seus botões que cargo disputará na eleição de 2006.

Em Garanhuns, não faz muito tempo, tinha um prefeito que gostava tanto de bebericar que ganhou dos adversários um apelido pra lá de simpático: abelhinha. E o atual, o sisudo, não me digam que vocês nunca viram ele mais alegre do que o normal.

Ora, minha gente, político que não bebe é mesmo que prostituta que não trepa. Com as honrosas exceções da bancada evangélica. Nessa turma aí o senhor dá uma forcinha e eles garantem o lugar nas casas legislativas sem precisar cativar o eleitor com uma dose de pinga.

E esse barulho todo, imagina, começou de uma fofocada de Brizola, do jornalista Cláudio Humberto e do colunista Sebastião Nery. Parece que o Diogo Mainardi, da revista Veja, também foi fonte do tal de Larry Rother.

Bem, o ex-governador do Rio de Janeiro e do Rio Grande do Sul tá com inveja de Lula, que chegou ao cargo que ele ambicionou a vida toda, sem conseguir. O Briza está mais ultrapassado do que baile de formatura. O Cláudio foi secretário de imprensa de Collor, portanto não tem moral pra falar mal nem do Maluf.

O Sebastião Nery, quem é bem informado sabe, pousou de esquerda na época da ditadura e participou das corrupções do governo Collor (olha a peste de novo). Diogo Mainardi, que semanalmente bate em todo mundo, principalmente em Lula, tem nome e jeito de bicha enrustida e Larry, o almofadinha americano, também não parece muito machão . (Espero não ser processado pelas minorias gays).

E aí vai o Lula, aconselhado pelo japonês Gusikhen, anunciar uma medida digna dos tempos do trio Irakitan da ditadura: Médici-Figueiredo-Geisel. É muita trapalhada pra um governo só. E já que o negócio é expulsar, o presidente devia era mandar esse burrológico de volta pra o Japão. Ai, só tomando umas biritas no Pólo para esquecer meus problemas, como diz a musiquinha que toca no rádio.

Diante de tanto impasse e confusão (vide o caso dos velhinhos do INSS, de Waldomiro Diniz e agora da expulsão do jornalista americano) tenho uma sugestão para o Lula: promover o Primeiro Festival Internacional da Cachaça, o FIC, no Brasil.

Iríamos mostrar para os gringos o valor da pinga brasileira, ressaltaríamos que o fato de Lula beber uma de vez em quando é uma qualidade nacional, atrairiamos até o nosso país milhões de beberrões turistas da Argentina, da Irlanda, da Alemanha, da França, de Portugal, dos países árabes e dos Estados Unidos e assm criaríamos pelo menos uns três milhões de empregos, ajudando o presidente a cumprir pelo menos um pouco da sua principal promessa de campanha.

Teríamos no evento o próprio Lula, o Nélson Mandela (que viria comemorar a conquista da África em sediar a Copa), o Bush, a redação inteira do New Iorque Times, Saddan, Osama Bin Laden, Tony Blair,. Bacalhau e o time inteiro do Santa Cruz, que este ano, se Deus quiser, vai ser campeão da segunda divisão. E aí eu vou tomar uma da porra.

Pernambuco será representado no FIC por Jarbas, Arraes, Carlos Batata, Cadoca e Bruno Lisboa, este último por entender batante da organização de festivais. O prefeito do Recife, João Paulo, esse não vai, por é vegetariano e não come nem carne.

Daqui da terrinha, serão presenças obrigatórias Bartolomeu Quichute, Sirvino, Alexandre o Grande e os padres Emérson e Aldo. O bispo se recusará a atender o convite. Só toma vinho e detesta misturar Igreja com política.

Se eu vou também? Claro e vou perder uma festa dessas... Vou levar a Viviane comigo, ficaremos inteiramente bêbados e se ela mijar no meio da rua não tem problema. Afinal, a deputada, que Deus já levou, também já fez essa besteira e nem por isso deixou de emplacar uns três mandatos na Câmara Federal.

E a gente (eu e Vivi) votava nela, é claro.

Lulinha, continue tomando suas pingas, manda esse jornalista se fudê e comece logo a trabalhar, porque senão quem vai ser expulso é você.