Garanhuns, 08 de maio de 2004
  Início
  Opinião
  Política
  Cidade
  Geral
  Cultura
  Sociedade
  Ed. Anteriores
  Expediente
 
COLUNAS
 

CORREIO POLÍTICO

Roberto Almeida


VITÓRIA

O vice-prefeito Márcio Quirino andou comemorando estes dias uma vitória. Não foi a definição do PDT sobre a sua candidatura à sucessão municipal, muito menos a possibilidade de vencer o pleito de outubro. O vice estava feliz da vida porque a justiça deu ganho de causa a sua ação contra o prefeito Silvino, que o havia despejado do seu gabinete, logo após a eleição de 2002. Márcio voltou a ocupar seu espaço por força de uma liminar e agora ganhou de vez a briga contra o chefe do Executivo. Se não chegar à prefeitura em 2005, como é seu sonho, pelo menos essa vitória já servirá de consolo.


ZÉ CARDOSO

Das mais justas a homenagem prestada ao ex-deputado José Cardoso pela Câmara Municipal de Garanhuns. A sala de imprensa do Poder Legislativo recebeu o nome do ex-parlamentar, que ainda hoje é, proporcionalmente, o vereador mais votado do município.


MARGARIDA

A víúva de Zé Cardoso, Margarida, presidente do PDT de Garanhuns, ao falar na inauguração da sala em homenagem ao seu marido, citou os nomes de Sivaldo Albino e Bartolomeu Quidute, presentes na solenidade, mas desconheceu solenemente o prefeito Silvino Andrade, que estava mesmo ao seu lado.


SILVINO

O prefeito Silvino não discursou na homenagem ao Zé. Mas no plenário da Câmara, logo depois, usou da palavra para falar dos novos cidadãos de Garanhuns. E citou, políticamente, o nome de Margarida, que fora indelicada com ele instantes atrás.


PROPAGANDA

O município está bem servido no Ministério Público e na Justiça Eleitoral para o pleito deste ano. A promotora Marinalva Almeida e o juiz Márcio Bastos demonstram ser duas pessoas sérias e comprometidas com a lisura do processo político. Os dois estão atentos também a toda forma de propaganda irregular.


PROPAGANDA II

Alguns colegas da imprensa local não sabem distinguir matéria jornalística de propaganda política. Assim, quando participam de reunião com a promotora ou o juiz fazem perguntas descabidas e ainda ficam com medo de realizar o seu trabalho, que é garantido até pela Constituição Federal.


PROPAGANDA III

Na entrevista que deu para o Jornal da Sete 2ª Edição, o juiz Márcio Bastos foi claro. As entrevistas jornalísticas, feitas de forma equitativa (ou seja, que todos tenham vez) além de serem permitidas prestam seriço à população. Em tempo: no Jornal da Sete convidamos todos os pré-candidatos para a entrevista. Apenas Severino Vieira, do PC do B, não falou ainda, mas não foi por falta de convite.


ADJUNTO

A secretária de Saúde de Capoeiras, Neide Reino (filha do ex-prefeito Manoel Reino), disse numa entrevista a Tiago Correia, do Jornal Marano, que não se afastou de suas funções, como foi informado nesta coluna. Ele declarou ainda que não será candidata a nenhum cargo, na eleição deste ano, e que apenas "contratou um secretário adjunto para ajudá-la na secretaria, porque no ano eleitoral aumenta a carga de trabalho".


DENÚNCIA

O deputado estadual Izaías Régis, do PTB, deve representar contra a prefeitura pelo uso da máquina. É que no dia seguinte ao anúncio do nome de Luiz Carlos como pré-candidato a prefeito pelo PMDB a assessoria de imprensa da prefeitura enviou release aos jornais e rádios da cidade com informações sobre o ato realizado no restaurante Chalé e ainda um perfil de "Luiz da Farmácia".


DENÚNCIA II

O PTB de Izaías representou também contra o PT, pelo lançamento do jornal do Diretório Municipal, que traz um perfil do promotor Alexandre Bezerra e dos pré-candidatos à Câmara. O partido recorreu da decisão e o caso está nas mãos do juiz Márcio Bastos.


LAJEFOLIA

Recuperada dos prejuízos da enchente de dois meses atrás, a cidade de Lajedo realiza agora, no final do mês, mais um Carnaval fora de época, a Lajefolia. Como está no último ano do seu mandato, o prefeito Antônio Dourado quer fazer bonito e dá toda a carga. Tem até a feijoada classe A da Kitty, na festa do município vizinho.


O NOVO SALÁRIO

Certamente o presidente Lula já percebeu que governar é muito mais difícil do que se pensa. Até agora, com um ano e quatro meses de administração, não conseguiu reduzir o desemprego e teve de dar aos trabalhadores um aumento do salário-mínimno raquítico, embora bem maior do que o último concedido por Fernando Henrique. Pra completar já se está falando em novo reajuste do preço do gás e da gasolina. O povo, que cobra resultados imediatos, vai perdendo a esperança, e o futuro do PT na eleição deste ano fica cada dia mais perigoso. Qual seria o caminho agora? Os radicais do PSTU? O novo partido de Heloísa e Babá? Ou voltar aos braços do PFL e companhia, que quando estavam no poder só defenderam o capital?