Garanhuns, 10 de abril de 2004
  Início
  Opinião
  Política
  Cidade
  Geral
  Cultura
  Sociedade
  Ed. Anteriores
  Expediente
 
OPINIÃO
 

Excesso de candidatos é prejudicial

Marcílio Viana Luna


Enquanto o número de vereadores diminuirá de 15 para 11, na próxima legislatura municipal, a quantidade de candidatos ao Palácio Celso Galvão está aumentando a cada momento e nos três últimos dias que passei em Garanhuns, por ocasião da Garanheta 2004, nunca fui tão cumprimentado e cheguei a conhecer gente que nem sabia morar na Suíça Pernambucana. Agora é assim: o cidadão chega, passa a respirar desse clima ameno e saudável e já se diz candidato a Prefeito da Terra do Magano. Cheguei a contar l3, isso mesmo, treze candidatos ao pleito de outubro próximo. Isso sem falar nos que já desistiram, como Ivo Amaral, por exemplo, mas que poderá voltar a qualquer instante.

Ivo Amaral é um político nato, bom administrador, já testado em duas administrações e jamais deixará a política local, como Silvino Duarte que nunca mais abandonará a política e deixará a vida pública. Mas dos 13 candidatos que estão aparecendo e ocupando espaço na mídia, de graça ainda mais, vejo cinco ou seis com reais possibilidade. Os demais talvez não fossem eleitos nem vereador, principalmente, agora com a diminuição de 15 para 11 vagas na Câmara. Mas, entre os candidatos, existem bons nomes, como Paulo Camelo a quem não conheço, pessoalmente, porém admiro a sua persistência e definição de posição política. Outro, é Marlos Duarte, esquerdista declarado que faz lembrar os bons tempos de Amaro Costa, Santininho, Lito França e o maior dos líderes populares de Garanhuns, o saudoso José Cardoso.

Almir Penaforte se não vingar a sua candidatura, poderá ser vice pois tem trabalho como médico e secretário em Garanhuns. Jorge Branco e Sivaldo Albino têm tradição familiar, são jovens ainda e um futuro político promissor pela frente. João Inocêncio e Gedécio Barros são bons vereadores e já estão maduros para um vôo mais alto: a Prefeitura Municipal. A hora e a vez é agora para os dois vereadores. Já Luís Carlos de Oliveira e Adolfo Lopes são dois cidadãos respeitáveis na cidade, vindos de municípios vizinhos. O primeiro (Luís Carlos), conversei como ele apenas uma vez e sei de sua qualidade de bom administrador. O segundo (Adolfo Lopes) conheço apenas de vista, é natural de Brejão e irmão de uma grande amiga, Kitty Lopes, a quem toda Garanhuns admira.

Alexandre Bezerra é admirado na cidade pelo trabalho que realiza na Promotoria Pública para onde foi nomeado há poucos anos. É candidato do PT, partido que, em 24 anos de existência, nunca fez sequer um vereador em Garanhuns. Mas dizem que Alexandre é carismático, fazendo lembrar o padre Carlos André, a maior liderança da Igreja Católica na região, pelo menos pelo que ouço dizer. O apoio do Partido de Lula poderá ser positivo ou negativo, em virtude da grande queda popular, insatisfação e até mesmo decepção pública. Agora, para valer mesmo, vai ser o pega entre três candidatos: Márcio Quirino, atual vice-prefeito, gente autenticamente de Garanhuns e com uma inigualável folha de serviços prestados ao município; Givaldo Calado, empresário vitorioso, bom vereador e dono de grande popularidade; e, finalmente, Bartolomeu Quidute, excelente médico, ex-prefeito e detentor do decidido apoio de Izaías Régis, a maior revelação política da região.

Enquanto Givaldo Calado e Márcio Quirino "brigam" em faixa própria, ou seja, disputando o prestígio pessoal junto ao eleitorado, Bartolomeu Quidute já vem com a sua experiência de conceituado médico, uma administração, para uns discutível, à frente da Prefeitura Municipal e ainda mais com a colaboração de Izaías Régis que é uma liderança emergente, com um estilo bem pessoal e muita garra no que faz. Dizem até que seria o próprio Izaías Régis o candidato natural, em lugar de Bartolomeu Quidute. Acho que até junho/julho haverá uma completa reviravolta na sucessão garanhuense, com a retirada de uns oito candidatos e a acomodação de outros como candidatos a vice-prefeito. Ou, quem sabe, a volta de outros, como Ivo Amaral, por exemplo.

Mas, acho que Givaldo Calado, Márcio Quirino e Alexandre Bezerra estão mesmo dispostos a ir até o fim. Primeiro, Givaldo Calado é um político nato, já cumpriu o seu papel como vereador e tem uma idéia firme de servir a Garanhuns. É um nome de respeito e líder de grande grupo eleitoral.. Quase o mesmo ocorre com relação a Márcio Quirino: está há mais de oito anos com a idéia fixa de ser prefeito da sua terra, cedeu a vez nas eleições passadas a Silvino Duarte, com quem rompeu política e pessoalmente, vem insistindo muito em termos de trabalho, cansaço e falação. Márcio Quirino não conseguiria esperar por outra eleição. Finalmente, o candidato do atual prefeito Silvino Duarte, o farmacêutico João Carlos de Oliveira é uma grande interrogação. Não tem perfil político mas poderá surpreender: é um homem sério, competente e tem um forte aliado, o prefeito Silvino Duarte. Quem não gostaria de ter o apoio de Silvino, político hábil, inteligente e com algumas de artimanhas?