Garanhuns, 27 de março de 2004
  Início
  Opinião
  Política
  Cidade
  Geral
  Cultura
  Sociedade
  Ed. Anteriores
  Expediente
 
CULTURA
 

Sesc promove cultura e lazer, mas alguns criticam

Núbia Kênia


Com a finalidade de "planejar, estudar e executar medidas que contribuam para o bem- estar social e a melhoria do padrão de vida do trabalhador do comércio de bens e serviços e sua família", segundo sua diretoria, o Sesc, especificamente a unidade de Garanhuns, vem dando um tom a mais a cultura e o lazer da cidade. Para isso, mensalmente a unidade desenvolve uma série de entretenimento que vão desde lançamentos de livros a excursões para diversas cidades do Nordeste.

Só para se ter uma idéia neste mês de março, o Sesc Garanhuns promoveu cursos de teclado, canto, violão, teatro, literatura, pintura em tela, cujas inscrições foram feitas no início do mês.
Além disso, dentro do projeto "Pílula Literária", mais um escritor garanhuenese pôde lançar seu trabalho. Desta vez foi César Monteiro, que lançou seu livro intitulado "O Casulo da Alma". Ano passado o Sesc lançou livros do jornalista Roberto Almeida, Nivaldo Tenório, entre outros escritores da terra.

Durante todo este mês o Sesc está realizando a campanha "Não Desperdiçar para Economizar", que tem o propósito de educar a população sobre o desperdício de alimentos, água e energia. Esta ação acontece durante todas as atividades desenvolvidas na unidade.

No início da semana foi realizado o projeto "Rosa dos Ventos", com a encenação da peça "Aurora de Minha Vida", que teve entrada franca.

Outras atividades corriqueiras do Sesc Garanhuns são: Sesc Nights, que acontece nas noites de sexta feira; a Educação Complementar, através do qual sua clientela pode dispor de Educação de Jovens e Adultos, Ensino fundamental e Ensino Médio; Projeto Domingo no Sesc, onde a população desfrutar de almoços regionais, jogos na quadra, piscina, teatro; Grupo Renascer da Terceira Idade, que realiza encontros sistemáticos toda quartas feiras; Estação de Musculação, inaugurada recentemente com equipamentos modernos; Projeto Jogando no Sesc, disponibilizando o espaço da quadra para o futsal, basquetebol, handebol e vôlei, entre outros projetos.

Para quem prefere arejar os ares com uma bela viagem, durante este mês, o Sesc Garanhuns elaborou excursões para Fernando de Noronha, no final de semana passado. Nos próximos dias acontecerá excursão para Fortaleza, de 07 a 12 de abril, e de 30/04 até 02/05 excursão para Porto de Galinhas.

OPINIÕES - Com toda essa programação a população de Garanhuns e visitantes só têm a lucrar. Mas como "nem tudo que reluz é ouro", há algumas semanas o Sesc Garanhuns tem sido alvo de muita insatisfação, não só por parte dos comerciários mas também por alguns usuários da unidade, que vêm reclamando de alguns pontos falhos no seu trabalho. Uma dessas insatisfações vem do comerciário Antônio Ferreira, que considera a comunicação do Sesc o ponto mais falho da unidade.

"Interditaram a piscina, para reforma, e não comunicaram aos comerciários. Isto é uma falta de respeito, até porque nossa categoria é quem mantém o Sesc. Outra questão é o uso da quadra, pois sempre que queremos usá-la, é colocada muita dificuldade", revela.

Hilton Agrelis, comerciário há 27 anos, se queixa da falta de informação sobre as comemorações do Dia do Comerciário e outros eventos. "Fiquei muito desgostoso ao chegar na colônia e no núcleo, no Dia de Comerciário, e não haver nenhuma comemoração. Soube através de uns funcionários que houve uma seresta no dia anterior, mas não foi previamente divulgada. Em todas as unidades do Sesc espalhadas pelo Brasil houve festejos, menos aqui", ressalta.

Já o escritor Nivaldo Tenório aponta pontos positivos e negativos no desempenho do órgão. Como positivo ele afirma que a unidade do Sesc em Garanhuns é uma das melhores coisas que ainda temos na cidade. Principalmente por ser uma cidade de médio porte, longe da capital. Além de ter a melhor biblioteca e o melhor ginásio de esportes da cidade. Em contrapartida, o escritor acha que a unidade poderia fazer um pouco mais pela a cultura e entretenimento da cidade. "Acho lento e burocrático o apoio aos talentos da terra", declara Nivaldo Tenório.