Garanhuns, 27 de março de 2004
  Início
  Opinião
  Política
  Cidade
  Geral
  Cultura
  Sociedade
  Ed. Anteriores
  Expediente
 
COLUNAS
 

CORREIO POLÍTICO

Roberto Almeida


GARANHETA

Com a Garanheta, o prefeito Silvino Andrade ganha mais um tempo para escolher quem será o seu pré-candidato à sucessão municipal. O líder peemedebista até gostaria de adiar mais ainda o anúncio, mas tem sido pressionado pela mídia, pelos correligionários e até pelos adversários.

Os que estão na oposição, tentam caracterizar o prefeito como indeciso e se o povão botar isso na cabeça o estrago está feito.

É provável, assim, que até o final deste mês ou no início de abril Silvino anuncie o candidato do seu grupo e não será nenhuma surpresa se este for o empresário e presidente da CDL, Luís Carlos de Oliveira.

Isso, contudo, só depois da Garanheta, quando os políticos vão aproveitar para fazer outro tipo de política, uma coisa mais de exibicionismo, que passa pelos camarotes da Avenida Rui Barbosa, feijoada de Kitty e churrasco de Saulo. Depois da festa é que o jogo começa pra valer.


REPERCUSSÃO

Repercute até hoje a nota a sobre a declaração do prefeito Silvino Andrade demonstrando desapreço pelo setor cultural. No Jornal da Sete, que é diário, não fiz nenhum tipo de exploração em cima do episódio, mas na Rádio Marano deitaram e rolaram em cima do assunto. O depoimento mais impressionante foi o do vereador Luiz Taveira, do PFL, que depois de defender os valores culturais de Garanhuns disse não entender "como é que um doutor diz uma besteira dessa".


EQUÍVOCO

Na verdade não tive a menor intenção de denegrir a imagem do prefeito. Apenas, como jornalista, me vi na obrigação de registrar a frase equivocada. Possivelmente Silvino não quis generalizar e não percebeu o erro cometido. Nem ao menos pediu off, como é comum à autoridade solicitar ao profissional de imprensa quando não quer que algo seja divulgado.


DESLIZES

Todo mundo está sujeito a dizer uma frase infeliz, por mais conhecimento e mais autoridade que tenha. Fernando Henrique, um intelectual respeitado, na presidência da República chamou os aposentados de vagabundos. Paulo Maluf prejudicou sua carreira política ao sair-se com esta pérola: "estupra mais não mata" e Lula recentemenete comparou a legalização dos bingos à prostituição infantil, um evidente exagero. Assim não chega a ser um espanto o prefeito ter cometido esse deslize de dizer que "cultura em Garanhuns não tem futuro, é coisa para Belo Jardim e Caruaru".


SONHO

O pré-candidato do PV à prefeitura, Adolfo Lopes, andou sonhando que poderia ter o apoio de Silvino Andrade para disputar a sucessão municipal. Por conta deste sonho, quase impossível de virar realidade, andou querendo defender o prefeito a qualquer custo. Besteira de Adolfo. Se fidelidade ao chefe do Executivo assegurasse alguma coisa o candidato do grupo governista seria Sivaldo Albino.


CONFRONTO

O pré-candidato a prefeito do PFL, Jorge Branco, comprou uma briga com o juiz Osman Holanda, de O Monitor, onde só tem a perder. A prova é que no último número o citado jornal abriu manchete sobre Eurico Monteiro associando este (que matou o irmão e a cunhada) ao filho de Dr. Tinoco. Como gosta de repetir a minha colega e conterrânea Maria Almeida: não se deve brigar com a Igreja, com a Justiça, nem com a Imprensa.


VEREADOR

O professor Rafael Brasil, meu amigo e colaborador valioso desse Correio, exagerou um pouco na dose ao dizer que vereador não serve pra nada. Sem o parlamento teremos o quê? Uma ditadura, talvez. Alguns parlamentares realmente são uma lástima, mas daí colocar todo mundo no mesmo saco me parece um engano.


VALORES

Aqui em Garanhuns, mesmo, alguns vereadores exercem um papel importante na Câmara e sem dúvida nenhuma servem com seu trabalho ao município. Citaria o presidente Sivaldo Albino, José Carlos Santos (Cacau), Daniel Silva, João Inocêncio, Zaqueu; Taveira, Vilaço e Augusto Acioly, que lutam por seus distritos; além de Audálio Ramos, este último um excelente quadro da Casa Raimundo de Morais.


ASSEMBLÉIA

Na Assembléia Legislativa, apesar de alguns exageros verbais, o deputado Izaías Régis vem fazendo um bom trabalho pelo Agreste. Mesmo sendo um estreante no parlamento estadual, já se destaca inclusive na capital, sendo respeitado pela imprensa recifense e pelos seus companheiros de Casa. Agora, é lógico que existe um lado ruim no Legislativo (como existe no Judiciário e na Imprensa, por exemplo) que precisa ser melhorado.


ACORDO

Marcel Nogueira, presidente do PP, não ficará com Luís Carlos Oliveira, caso este seja confirmado como pré-candidato a prefeito da aliança governista. O dirigente partidário garante que existiu mesmo o tal acordo preconizando que o líder das pesquisas seria o candidato do grupo. Assim, como Givaldo ficou em primeiro, Marcel está com o vereador do PPS.


ACORDO II

Embora confirme tal acordo, José Hilton Paixão, presidente do PMDB, pensa diferente de Marcel. Segundo ele, precisam ser analisadas várias pesquisas, inclusive a do IPESPE. O dirigente peemedebista lembra que deve ser visto também o índice de rejeição dos candidatos. Nesse sentido, Zé Hilton não vê motivo para não se apoiar Luís Carlos e afirma que Silvino não está descumprindo acordo algum.


ENTREVISTAS

No Jornal da Sete 2ª Edição o maior Ibope são as entrevistas políticas. Os melhores bate-papos, porém, às vezes estão noutra área. Cito aqui como entrevistas muito boas as da professora Luzinete Laporte, da delegada Débora, do secretário Ivan Júnior e dos acadêmicos João Marques e Nivaldo Tenório. Este último, possivelmente a pessoa que mais lê em Garanhuns, foi muito feliz quando disse que "cultura tem muito a ver com a identidade de um povo ou de uma cidade".