Garanhuns, 13 de março de 2004
  Início
  Opinião
  Política
  Cidade
  Geral
  Cultura
  Sociedade
  Ed. Anteriores
  Expediente
 
POLÍTICA
 

Ex-prefeito jura inocência

Aparentemente tranquilo, o ex-prefeito Bartolomeu Quidute atribuiu a uma armação política do prefeito Silvino Andrade a sua condenação pelo juiz Breno Ribeiro. "Eu sou um homem de bem e as minhas contas foram aprovadas pela Câmara Municipal por unanimidade", declarou o ex-governante, anunciando que irá recorrer da decisão do magistrado e provar que fez tudo corretamente quando governava Garanhuns.

Armado de documentos de órgãos municipais e federais aprovando sua gestão, Bartolomeu Quidute lembrou que suas contas foram aprovadas pelo Legislativo em 2002, quando a maioria dos vereadores estava ligada ao atual prefeito Silvino Andrade. "Acho que essa ação do município é um desrespeito a Câmara Municipal", atacou o ex-prefeito.

Na avaliação de Quidute, se a intenção dos adversários políticos é impedir sua candidatura, eles perderam seu tempo, "pois agora sou mais candidato do que nunca". Numa entrevista ao Jornal da Sete 2ª Edição, na Rádio FM Sete Colinas, o político petebista atacou duramente seu sucessor, a quem voltou a chamar de traidor.

Até mesmo as ações administrativas de Silvino, elogiadas publicamente até por quem não é do seu grupo político, foram atacadas por Bartolomeu. "A cidade precisa de mais humanidade e não de obras de pedra e cal", disse, acusando o prefeito de investir nos bairros ricos e esquecer a periferia.