Garanhuns, 13 de março de 2004
  Início
  Opinião
  Política
  Cidade
  Geral
  Cultura
  Sociedade
  Ed. Anteriores
  Expediente
 
COLUNAS
 

HUMOR

Raulzito


Eu gosto mesmo é de mulher!

No último dia oito de março foi comemorado o Dia Internacional da Mulher. Aqui na terrinha e pelo mundo afora foram promovidas as mais diversas manifestações enaltecendo a mulher. Tudo merecido, porque sem elas, a gente não é nada.

Tem muito machão aí que não valoriza. Alguns homens gostam de repetir que "mulher no volante, perigo constante", falam que elas só sabem pilotar fogão, ver novela e cuidar do cabelo. Dizem, também, que o único movimento delas que merece ser apoiado é o do quadril.

Isso é inveja dos homens, principalmente depois que as representantes do ex-sexo frágil (tem uma besteirada maior do que essa?) ocuparam as fábricas, as escolas, o comércio, as ruas e os bares.

Como não sou machão, não gosto nem um pouquinho de homem. Eles são mais arrogantes, violentos, fedem, cospem, bebem, discutem futebol e o mundo tá na merda que tá porque eles continuam ocupando os principais postos de poder.

Já as mulheres, mesmo as que ainda estão no estágio de pilotar fogão, são espertas, intuitivas, dengosas, saborosas, gostosas, sensíveis e só precisam de um olhar ou de um cruzar de pernas para tirar qualquer grandalhão do sério.

Eu adoro mulher, sou viciado nelas. Sou fã de todas. E não as vejo apenas como objeto sexual. Admiro as inteligentes, as guerreiras, as que superam os homens na arte de liderar.

A minha mãezinha, que mora nos Estados Unidos, é inesquecível. Ainda hoje, com quase 60 anos, usa saias curtíssimas, namora rapazes de 20 e não tá nem aí pro Bush.

E a Viviane, hein? Mora no bairro de São José, anda de ônibus todo santo dia, faz compra nos camelôs da Santos Dumont, conversa potoca na feira da Ceaga e, quando chega em casa, é um arraso.

Confesso a vocês que só falto apanhar da danada e ainda gosto. Afinal de contas ela é mulher... E que mulher!

Na segunda-feira, quando passei na casa dela, levei de presente uma forma de assar pizza. Ela ficou irada, disse que preferia uma calcinha vermelha ou um prefume e recomendou que panela eu fosse dar a minha avó.

Tá vendo, como elas tão emancipadas?

Mas a libertação das mulherees por aqui chegou faz tempo. Não lembram de dona Rosa Quitute, a primeira dama? Ainda hoje ela está na memória do povo, que não esquece as sopinhas distribuídas com os pobres

O trabalho dela foi tão edificante que há sete anos Orora Cristalina tenta superar a mesma e não consegue. Distribui colchão, documento e até bacia sanitária. Mas não tem jeito, porque rosa é rosa.

Mas voltando a Viviane ela tá tão politizada que reclama sem parar que aqui não tem ainda delegacia da mulher.

- Devia ter, com uma delegada bem machona que de vez em quando desse uns tapaços em homem cabra safado - defendeu Vivi.

- Aliás - prosseguiu minha namorada - tá errado que tenha tanto pré-candidato homem à prefeitura e nenhuma mulher. Se me fizerem raiva quem vai ser candidata sou eu. E não falta peito para enfrentar esses bundões - completou ela, que parecia estar com a gota serena.

Ela fala assim mas não é por mal. Imagine que depois desse diálogo tão romântico nós fomos pra cama e fechamos com chave de ouro as comemorações do Dia Internacional da Mulher.