Garanhuns, 28 de fevereiro de 2004
  Início
  Opinião
  Política
  Cidade
  Geral
  Cultura
  Sociedade
  Ed. Anteriores
  Expediente
 
COLUNAS
 

CORREIO CULTURAL

Carlos Janduy


"Das Coisas da Terra"

Este mês, dia seis, aconteceu no Teatro Luís Souto Dourado (Centro Cultural), o lançamento do CD "Das Coisas da Terra" , do "cantador" e compositor Audejan, que é natural de São João e está radicado em Garanhuns há mais de oito anos. Participaram do disco o grupo Sertão Caatingoso, Aldecy Souza e Marcos Cabral. O ótimo público que prestigiou o lançamento, teve a oportunidade de assistir a um show enxuto e maduro, digno de ser apresentado em qualquer palco deste país ou fora dele.

Para quem gosta da nossa boa música (mesmo) e não conhece ainda o trabalho de Audejan, não pode deixar de ouvir o CD, que está à venda nas lojas da cidade.

Quando ouvi "Das Coisas da Terra" pela primeira vez, mais do que apreciá-lo, eu me envolvi de tal forma com a sua essência, que me atrevi a escrever os seguintes versos:

No jardim da fantasia
Vejo nascer o presente,
Florindo divinamente
A sonora alegria,
E vem numa harmonia
Que dá gosto escutar:
Maracatu pra dançá,
Xote no blue da saudade,
A forte pluralidade
Do Professor Elomar.

Na casa de taipa mora
Um canto de Incelença,
Clamando pela presença
D'um amor que foi embora.
Nisso do lado de fora
Pode-se ver um menino
Tangendo o seu destino
Pra ser um grande vaqueiro,
Mas também um violeiro
Pra poder tocar seu tino.

A toada que ressoa
Do sabiá na gaiola,
Abre asas e consola
Acontecências à toa
E o cantador entoa
Com Sertão Caatingoso
O que há de primoroso
Nas coisas da nossa terra,
E este vate não erra
Em se sentir orgulhoso

De fincar neste encarte
Versos que possam então
Expressar a emoção
De ver pronta esta arte,
Pois eu sei que ela parte
Por este mundão afora
Pra fazer em justa hora
O sucesso que merece,
Guiado na luz da prece,
Por Deus e Nossa Senhora.


Jesus Alegria dos Homens aumenta a temporada para 2004

Uma das grandes novidades do espetáculo Jesus Alegria dos Homens, A Paixão de Cristo de Garanhuns, para este ano, será o aumento de dias para as encenações de sua temporada. Ao invés de quatro dias, como vinham sendo desde a sua primeira temporada, a peça será exibida em seis dias consecutivos, a partir do dia 05 de abril, com apresentações visando um público seguimentado. Segundo informações da direção do evento, o número de dias a mais, justifica-se, porque há dois anos tem-se buscado apresentar os espetáculos para públicos alvos.

Assim sendo, a temporada será aberta na segunda-feira da Semana Santa, às 18 horas, com o espetáculo dedicado especialmente às crianças. Na terça, dia 06, no mesmo horário, a peça será encenada para um público da terceira idade. Na quarta-feira, às 20 horas, o espectador alvo é o estudante, universitário e em geral. Na quinta-feira, dia 07, ás 21 horas, será a vez do público comerciário assistir ao espetáculo. Para a Sexta-Feira, também às 21 horas, a direção de Jesus Alegria dos Homens, denominou "O Espetáculo da Fé", onde caberá o público em geral. No Sábado de Aleluia, último dia da temporada, às 9 da noite, o grande Espetáculo será dedicado à Família.

Segundo informações da Produção do Espetáculo, em cada um desses dias temáticos, o público alvo será estimulado a assistir a peça graças as várias facilidades propostas, que vão desde promocionais e distribuições de ingressos, até a comercialização popular das entradas, com direito a ônibus, fazendo o percurso bairro-espetáculo-bairro.

A produção da Associação Teatral Jesus Alegria dos Homens está empenhada em proporcionar mais uma vez, além de um espetáculo de rara beleza, a oportunidade dos espectadores de Garanhuns e região, poderem asistí-lo com conforto e bem-estar.


Amarga Realidade

Li na Revista Profissão Mestre, edição de fevereiro de 2004, que dados do IBGE mostram que há 16 milhões de analfabetos acima de 16 anos no Brasil. Os números são ainda piores quando falamos dos analfabetos funcionais, ou seja, pessoas que têm nível muito baixo de habilidade de leitura e de escrita e não conseguem interpretar textos mais longos ou complexos, alcançando 30 milhões de pessoas.

Ainda segundo a pesquisa, apenas um em cada quatro brasileiros compreende as informações contidas em um texto e consegue relacioná-los com outros dados.
Amarga, não, essa realidade?