Garanhuns, 28 de fevereiro de 2004
  Início
  Opinião
  Política
  Cidade
  Geral
  Cultura
  Sociedade
  Ed. Anteriores
  Expediente
 
COLUNAS
 

COLUNA DE ULISSES

Ulisses Pinto


VAGAS EM FOCO - Continuam os comentários em Garanhuns e naturalmente em outras cidades a respeito da diminuição do número de vagas nas Câmaras Municipais, em face de dispositivo da Constituição Federal.

No nosso caso, a futura composição da Câmara será de 11 ou 17 vereadores. O Supremo Tribunal Federal, composto por 11 ministros, pode até maio ou junho resolver o assunto. Falta apenas um voto do ministro que pediu vistas para posivelmente reduzir as vagas em Garanhuns e nos outros municípios. Sabem por que? Porque cinco deles já deram seus votos pelo rebaixamento citado. Se apenas um ministro der o seu voto favorável, em face de pedidos do Ministério Público, a "coisa" na futura eleição de vereador nesta terra será difícil, a não ser que os candidatos ao cargo gastem muito dinheiro ou tenham carisma, serviços prestados ao povo.

Acho que o melhor caminho é entrar em ação o quanto antes, usando o "jeitinho brasileiro". Isto é, os grandes políticos com trânsito livre junto ao STF pedirem aos outros ministros que faltam votar, que façam "vista grossa" ou melhor dizendo, que deixem de proferir suas decisões em fins de junho ou de julho, antes das convenções municipais.

Estamos com a mesma posição. Quanto mais vereador tiver a futura Câmara, em 2005, melhor será para os interesses de Garanhuns, salvo se houver nomeações a rodo. Com 11 vereadores eleitos, eles ganharão mais e com 17, menos. É isto que o povo deve saber.


SUCESSÃO - Não estamos certos de pesquisas, que sempre são momentâneas, como sempre tem proclamado o candidato a prefeito Givaldo Calado, do grupo político do prefeito Silvino Duarte.

Ainda continuamos a proclamar: o favorito para vencer a eleição é Bartolomeu Quidute, o qual é bisneto de um cidadão que matou no passado mais de 80 pessoas, no Sertão deste Estado. A história é verdadeira e breve vamos inserir neste jornal ou em outro. O caso é confirmado pelo próprio ex-prefeito e existem livros que tratam do assunto.

Os pré-candidatos à prefeitura são os mesmos: Jorge Branco (PFL), Marlos Duarte (PSB), o promotor Alexandre Bezerra (PT), Márcio Quirino ou Gedécio Barros (PDT), Adolfo Lopes (PV), Dr. Bartolomeu (PTB), Paulo Camelo (PSTU) e o candidato de Silvino.


BOATOS - Durante uma sessão solene no Sesc, em homenagem aos 100 anos da Loja Maçônica Mensageiros do Bem, ouvimos os seguintes comentários (boatos), nos quais continuamos sem acreditar:

Dois políticos que têm votos na cidade afirmaram a este colunista que brevemente Izaías Régis, o único deputado que teve grande votação majoritária em Garanhuns, vai ser o candidato a prefeito dos que fazem o grupo político do deputado federal Armando Monteiro Neto, presidente do PTB de Pernambuco. Assim Bartolomeu seria colocado no escanteio.

Divergimos dessas especulações. Achamos que a esta altura Izaías não terá coragem de fazer essa traição, ficando em risco até de perder o pleito. O eleitorado daqui de vez em quando toma posições surpreendentes. Basta citar um caso passado: ocorreu uma aliança para o Dr. Petrônio Fernandes, já falecido e pessoa de bem de São João, ser o prefeito de Garanhuns, tendo como vice o comunista Amaro Costa, outra figura que gostamos muito. Nessa união, o prefeito Aloísio Pinto, o governador Miguel Arraes, Francisco Figueira, José Cardoso, Ivan Rodrigues, a maioria dos vereadores, dos servidores municipais, sindicatos, etc, etc, e até o Governo Federal (presidente João Goulart), apresentaram a dupla (na qual votamos) e o que se viu foi Amílcar Valença vencer o pleito.

Na época o favoritismo do candidato governista, apoiado por todas essas forças, era tanto, que o Dr. Vicente Cavalcante fez esse comentário: "Será que Garanhuns vai ter chapa única? Isto não pode acontecer". Formou um grupo de oposição que terminou ganhando a parada. "Seu Amicá" ainda tem guardada um carta nossa dizendo que ele não bancasse os "18 do Forte de Copacabana" e que era melhor desistir. Tal missiva, anos depois, foi publicada no "O Monitor". Outra coisa: chamavam Amílcar de "o leiteiro", como seria denominado anos depois o "Dr. Batata" e agora já surgiu em Capoeiras o "Pássaro Preto", como estão chamando o comerciante Dudu, tentando diminuir sua imagem. Pura perda de tempo. Dudu vai vencer a eleição. Então, Izaías não deve cair nessa tentação de menosprezar. O nosso eleitorado é rebelde...