Garanhuns, 07 de fevereiro de 2004
  Início
  Opinião
  Política
  Cidade
  Geral
  Cultura
  Sociedade
  Ed. Anteriores
  Expediente
 
POLÍTICA
 

Aliança pode rachar em Garanhuns e Izaías esnoba

A demora do prefeito Silvino em definir seu candidato à sucessão municipal, na eleição deste ano, pode contribuir para um racha na aliança formada pelo PMDB, PSDB, PP, e PPS. Formalmente existe um acordo entre os pré-candidatos desses partidos de caminharem juntos no pleito de outubro, porém nos bastidores acontece uma verdadeira batalha entre Almir Penaforte, Givaldo Calado, Sivaldo Albino e Luís Carlos Oliveira. O PFL, que tem como pré-candidato o advogado e empresário Jorge Branco, já caiu fora do grupo aliancista e dificilmente irá se recompor com Silvino.

O pré-candidato do PPS, vereador Givaldo Calado, é quem mais tem se empenhado em receber o apoio de Silvino e tem encontrado no ex-deputado federal Carlos Batata um defensor arrojado de sua candidatura, mesmo o ex-parlamentar pertencendo aos quadros do PSDB. Em seguidas entrevistas nas rádios da cidade e nos jornais da capital, Batata tem defendido claramente o nome de Givaldo, que no seu entender tem o perfil empreendedor que Garanhuns precisa.

O posicionamento do ex-deputado tucano irritou o presidente da Câmara, Sivaldo Albino, outro que tem lutado muito para receber o apoio de Silvino. "Ele não tem autoridade para se meter na política de Garanhuns e só está atrapalhando", disse Sivaldo, esta semana, no Jornal Marano, ao criticar as articulações e as entrevistas de Carlos Batata favoráveis ao presidente do PPS.

Dos quatro pré-candidatos do prefeito, os mais quietos são Luís Carlos Oliveira (PMDB) e Almir Penaforte, do PP, que têm sido mais discretos e têm evitado se meter em confusão. Os dois, no entanto, alimentam da mesma forma o desejo de ser candidatos e não podem muitas vezes conter seus simpatizantes, que procuram espalhar conversas "queimando" o presidente da Câmara ou Givaldo Calado.

Diante desssa guerra de bastidores, o prefeito Silvino se mantém calado sobre o nome que irá apoiar, embora já tenha anunciado que neste mês de fevereiro, após a realização de uma pesquisa será definido o candidato. As divergências no grupo governista são aproveitadas pela oposição, liderada pelo deputado estadual Izaías Régis.

O parlamentar, confiante na força do PTB, tem até esnobado o grupo de Silvino, que a seu ver não tem um nome de peso para enfrentá-lo. A alguns interlocutores, Izaías disse, confiante, que ganha a eleição de Givaldo Calado (presumindo que este será o candidato) "até com um boneco".

O provável candidato de Izaías, Bartolomeu Quidute, tem se movimentado muito pela cidade, procurando consolidar seu nome. A respeito da demora do prefeito em anunciar quem irá concorrer à sucessão municipal, o ex-prefeito bateu forte, chamando Silvino de inseguro. Em nota nas rádios e jornais locais o chefe do Executivo passou recibo e respondeu a provocação. Segundo Silvino, não existe insegurança, pois a aliança está escolhendo seu candidato democraticamente e aquele capaz de agregar mais forças no grupo será confirmado.