Garanhuns, 07 de fevereiro de 2004
  Início
  Opinião
  Política
  Cidade
  Geral
  Cultura
  Sociedade
  Ed. Anteriores
  Expediente
 
CULTURA
 

Uma artista múltipla

Jacques Cerqueira


Cantora, violonista, poeta, jornalista e artesã de diversas técnicas, Ângela Barreto descobriu sua vocação para os palcos logo aos três anos, quando já cantava acompanhada pelo pai, ao violão, no Colégio Eucarístico do Recife. Os "anos dourados", essa pernambucana de voz suave viveu intensamente, cantando e tocando violão. Afinal, a música corre em suas veias. Uma herança genética que vem do avô Felinto Moraes, carnavalesco cujo nome abre a lista inesquecível dos amigos do saudoso maestro Nélson Ferreira, no frevo "Evocação Número 1".

Sem conseguir resistir ao chamado dos palcos da vida. Largou o jornalismo para se dedicar de corpo e alma à música. E o resultado de tanto talento está nesse cd, que das dezessete faixas traz catorze composições inéditas. As três regravações foram escolhidas a dedo, com o mesmo bom gosto que resultou nesse repertório primoroso. Como tributo a Gonzaguinha um dos seus compositores preferidos regravou o samba-canção "Avassaladora". Ângela também regravou "leão do norte" (Lenine e Paulo César Pinheiro) e o Fox "Dançando na rua" (Fernando Azevedo e Cláudio Almeida), cujos arranjos e interpretação nada ficam a dever às gravações de Lenine, Elba Ramalho e Cauby Peixoto.

Eis ai esta artista múltipla, plena de musicalidade e vontade férrea de mostrar o melhor da música pernambucana aos quatro cantos do mundo.

CONTATOS PELOS FONES:081-3341-1297 E 081-9987-2685.