Garanhuns, 24 de janeiro de 2004
  Início
  Opinião
  Política
  Cidade
  Geral
  Ed. Anteriores
  Expediente
 
OPINIÃO
 

A palma na culinária

Pedro Jorge Valença


A Palma não é Brasileira, no fim do século XIX, foi trazida por Hermann Lundgren, para a Cidade de Paulista, junto do Recife, e plantada como ornamento. Foi quando o Dr. Gentil, viu uma vaca comento o vegetal, e levou umas mudas para a sua Fazenda na Serra do Tará, tendo saído de lá para todo Agreste. Em 1920 já existia plantação, em São Pedro, no Sítio de Zé Lulu, pai de Antônio Miranda. Daí a Palma se multiplicou e hoje é considerada a Rainha das Forrageiras. É certo que nas grandes secas, quando a situação aperta, a turma come Palma cozida, e diz que tem sabor de Chuchu : Não tem gosto nenhum !

Um pesquisador voltou com o assunto e está levando uns produtores para conhecer a culinária de palma no Texas. Diz ele que é gostosa e tem o sabor de Maxixe, da para fazer doces e cosméticos.

Em São Pedro me contaram uma história sobre a Sopa de Palma. Um vigário foi dormir na Fazenda de um Paroquiano que tinha fama de pouco gastador, e na hora da janta, o café era puro, então propôs fazer uma Sopa de Palma; e foi dando ordem a cozinheira:

Coloque duas Palmas na panela, e para não ficar insossa bote sal a gosto.

Para não ficar rala, bote três xícaras de arroz e meio copo de óleo.

O gosto fica melhor se colocar, alho, cebola, coentro, batatinha, colorau e cominho.

Corte quatro pedaços de charque e junte com um osso de patinho ou um corredor.

A cozinheira foi obedecendo e o Fazendeiro acompanhando. Quando a sopa ficou pronta o Vigário, ordenou, leve para a mesa, mas antes jogue as folhas de palma fora. A Sopa ficou gostosa, e muito cara.!

Outro "causo" contado, aconteceu com um Português que levou umas Palmas, para sua terra e botou no fogo, mas não gostou do sabor, e telefonou para seu amigo no Brasil, que recomendou que fizesse um doce e colocasse bastante açúcar. A relação do Patrício foi imediata:

Pois pois... Com açúcar até merda é gostosa !

Então fui falar com Zé de Júlia, sobre a fabricação de cosmético, primeiro expliquei que "cosmético", não era para meter uma Palma no cós, e sim um preparado para colocar no cabelo. Meu amigo foi enfático:

Não é mais fácil usar a Erva Babosa, que todo mundo sabe que é muito bom para o cabelo?.

Voltei ao ataque e dei uma receita de Salada de Palma, que foi recomendada pelo Pesquisador:
Retire os espinhos de duas folhas de Palma novinhas, e corte em fatias finas.

Coloque Sal e Vinagre de Maçã a gosto.
Escalde meio quilo de Bacalhau, leve ao fogo para um leve cozimento.

Desfie o Bacalhau , coloque na salada e enfeite com rodelas de Cebolas, Tomates.

Regue com Azeite Espanhol e sirva junto com Maionese e Cat Chup .

Zé de Júlia, o filósofo de São Pedro, contra atacou:

Faça uma Salada de Palma com Palma e mande o Doutor comer, para ver se é gostoso!

Não sou contra as novas tecnologias, mas a cultura do Nordestino, não está pronta para aceitar uma dieta de Palma, é coisa de Tecnocrata Desocupado, que alheio aos costumes do nosso homem do Campo, fica inventando moda para aparecer na imprensa que devia expurgar esse tipo de gente. Quem quiser aparecer, coloca uma Melancia na cabeça, e vá desfilar no Centro da Cidade.

O Dr. Miguel Arraes, em Limoeiro, recebeu uma sugestão, para importar do Peru, um tipo de Prear, de quase um quilo, e incentivar a sua criação. O "Velho deu um pigarro e respondeu:
No dia que eu mandar comer prear, vão dizer que mandei o pobre Almoçar Rato !

Um concelho para Jarbas Vasconcelos, se um desses hereges falar em comer Palma, responda:

- Vade retro, Satana