Garanhuns, 24 de janeiro de 2004
  Início
  Opinião
  Política
  Cidade
  Geral
  Ed. Anteriores
  Expediente
 
GERAL
 

Um padre pode salvar São Bento?

O atual prefeito de São Bento do Una, Paulo Afonso Cintra, do PFL, é tido como um político populista, que mesmo administrando muito mal a cidade ainda tem força eleitoral. No pleito de 2000, venceu o seu principal adversário, Paulo Pereira, por apenas 21 votos, numa eleição que parecia perdida. De lá pra cá, perdeu vários aliados, mas a oposição teme o seu poder de fogo, com a utilização do clientelismo.

A novidade na política de São Bento, este ano, é a pré-candidatura de Padre Aldo Mariano, do PMDB, que durante seis anos atuou como sacerdote na terra dos Valença. O religioso praticamente já definiu sua candidatura, é apoiado por quatro vereadores e tem a simpatia de vários empresários que quatro anos atrás ficaram com Paulo Afonso. Lidera as pesquisas de opinião pública, contudo trabalha tentando ampliar o seu grupo, convencido de que não existe eleição fácil.

Um terceiro nome forte numa provável disputa é o do ex-prefeito Reginaldo Porfírio, do PSDB, que aparece nas pesquisas tecnicamente empatado com Paulo Afonso. Tido como um "homem direito", que administrou pagando em dia o funcionalismo público, Reginaldo ainda não definiu se disputa o pleito deste ano.

O ex-prefeito Paulo Pereira, também conhecido como Paulo Bodinho, não será candidato em 2004, devendo ficar ao lado de padre Aldo. Um quarto pré-candidato, o ex-vereador Abdoral (PTB), no momento não tem a mesma expressão de Paulo Afonso, padre Aldo e Reginaldo.