Garanhuns, 24 de janeiro de 2004
  Início
  Opinião
  Política
  Cidade
  Geral
  Ed. Anteriores
  Expediente
 
GERAL
 

Empresários apontam decadência de São Bento

Terra do cantor e compositor Alceu Valença, da historiadora Ivete Cintra e do escritor Gilvan Lemos, o município de São Bento do Una já foi um dos mais fortes economicamente no interior do Estado, sobretudo graças à avicultura. Atualmente, no entanto, a cidade passa por uma situação difícil e até a tradicional Festa de Reis, uma das maiores da região, este ano foi realizada sem aquela punjança do passado.

Os empresários de São Bento, tanto os da zona urbana como os do setor agropecuário, demonstram preocupação com a crise vivenciada no município, acreditando que ela é aguçada pela má gestão do poder público local. "A situação hoje não é boa em nenhuma cidade, as dificuldades são gerais, mas aqui o problema está maior porque os pagamentos públicos não são feitos em dia", revela Alexandre Freitas, proprietário de um posto de gasolina logo na entrada da cidade.

Na opinião do empresário, os comerciantes, os intelectuais, os estudantes, os trabalhadores em geral e todos que amam São Bento do Una deviam formar um grupo novo, capaz de mudar politicamente o município. "Se continuar do jeito que está a tendência é sempre cair. Como sãobentense da terra a gente deve procurar o melhor pra nossa cidade", defende Alexandre.

Paulo Renato, agropecuarista, classifica como difícil a situação da terra de Alceu Valença, principalmente por conta da seca e da falta de insumos. Ele acha que o governo do pefelista Paulo Afonso também contribui com a crise no setor, pois a seu ver a Secretaria de Agricultura do Município não tem nenhuma política voltada para o desenvolvimento.

O microempresário Pedro Alexandre, da área de panifação, reconhece que a dificuldade é geral e tem esperanças que este ano o Governo de Lula possa melhorar a situação do país. No caso específico de São Bento, concorda com o seu colega Alexandre Freitas que os atrasos nos pagamentos da prefeitura prejudicam o comércio local.

"São Bento do Una não pode ficar nessa mesmice. Temos que procurar uma pessoa nova para dirigir os nossos destinos. Uma pessoa que seja dinâmica, capaz e sobretudo honesta. Temos de procurar essa alternativa e fazer o diferente", defende Pedro Alexandre, que defende o nome de Pe. Aldo para mudar a realidade de São Bento.