Garanhuns, 27 de dezembro de 2003
  Início
  Opinião
  Política
  Cidade
  Geral
  Cultura
  Sociedade
  Ed. Anteriores
  Expediente
 
COLUNAS
 

HUMOR

Raulzito


Final de ano

Final de ano é divertido. Neste mês de dezembro, acompanhado da Viviane, já estive em 124 confraternizações, o que dá uma média de mais de quatro por dia.

Comi como um rei graças aos empresários, ao esbanjamento do dinheiro público e aos políticos que sonham ocupar a cadeira de Sirvino a partir de 2005.

Só não recebi o título de amigo-colaborador da imprensa, dado pela colunista Josmália Pimenta. Certamente não mereço tal honraria, pois na verdade eu não colaboro em nada com o jornalismo da cidade, acho até que sou anti-colunista, um desmancha prazeres, que vivo a zombar com a cara dos colunáveis da cidade.

Assim, os grandes homenageados foram Dom Irineu Roque V e Sirvino, duas pessoas que são capazes de fazer qualquer coisa pela imprensa, que o digam os radialista Marcos Caroço e Gerson Limão, o jornalista Roberto Armeda e o repórter Tiago Salsicha.

Aliás, vou propor ao editor deste respeitado periódico que também institua um prêmio desses e dê ao prefeito e ao bispo o diploma de Amigo do Correio.

Bom, mas deixemos essas homenagens de lado e pensemos nas quase 60 confraternizações que ainda nos restam, até o final do ano.

Inclusive a do jornal, que será feita no restaurante Buraco de Otília, na rua da Aurora, na capital pernambucana.

A Prefeitura, a Assembléia Legislativa, O Governo do Estado e o jabá extra dos deputados garantirão o deslocamento até o Recife, a comida, uma visita ao Shopping Center Recife e umas cervejinhas, que ninguém é besta de naquele calor da gota serena ficar só na base de suco e guaraná.

Como o coronel Plínio das sete Chaves também irá para a festa, estaremos livres de assaltos, mesmo depois da visita de despedida ao Recife antigo, perto da meia noite.

Como o Correio Sete Colinas é plural e o Raulzito é singular, juntaremos na mesma mesa Sirvino, Bartolomeu Quichute, Izaías Régua, Jorge quase Branco, Alexandre o Grande, Márcio Quinino, Sivardo, Givaldo Falante e Luís Carlos do Jardim das Oliveiras.

Na turma das mulheres, dona Rosa Quitute, Aurora Cristalina, Graça do Sesc, Maria Armeda, Quitéria da Cohab I e Viviane mostrarão o que é o vedadeiro espírito natalino: unidas, sem medo e sem ódio, sem medo de ser feliz, comentarão com ardor como está a trama da novela das oito. Será uma celebridade.

De volta a Garanhuns, passearemos pelos R$ 420 mil gastos na decoração natalina da cidade.

Então, cada um irá para sua casa. Quase todos, como os leitores sabem, ocupam uma casa modesta no bairro de Heliópolis.

Eu, como sou metido a besta, habito uma mansão em Parque Fênix, onde tomo banho de piscina todo santo dia.

Final de ano é massa. Que venha logo dezembro de 2005, para que eu possa participar de novas confraternizações.

Agora, falando sério, feliz Ano Novo.