Garanhuns, 13 de dezembro de 2003
  Início
  Opinião
  Política
  Cidade
  Geral
  Cultura
  Sociedade
  Ed. Anteriores
  Expediente
 
OPINIÃO
 

Natal dos Sonhos

José Rodrigues


Até que enfim, as nossas autoridades municipais resolveram atender o reclamo popular, no que se refere à volta das festas natalinas para Avenida Santo Antônio, no coração da cidade. Para tanto, foi preciso a colaboração do comércio, que, segundo o comerciante Ivan Gomes, participou com 80% do que foi gasto na ornamentação da mencionada avenida; tendo a prefeitura contribuído apenas 20%. O fato é que, o local onde vão ser realizados os festejos encontra-se feericamente iluminado e repleto de resplenderosas figuras, dando-lhes a impressão de que estamos no local onde os anjos realizam suas festas.

É disto que o povo gosta! A nossa população sente-se feliz quando vê sua cidade ornamentada e pronta para receber milhares de pessoas vindas de várias partes do país, e até do estrangeiro para assistirem, na frente da Catedral de Santo Antonio os cultos comemorativos ao nascimento de Jesus Cristo, e ao começo de um novo ano, que esperamos ser cheio de alegria, saúde e felicidade.

Parabenizamos os comerciantes, por terem ajudado à Prefeitura a transformar o local das festas num verdadeiro salão de beleza. Aliás, é preciso que se diga que os festejos, além de agradarem ao público, servem, também, para que o comércio tenha lucros fabulosos.

Garanhuns enquandra-se no contexto das mais belas cidades do interior de Pernambuco. Por isto, deve viver preparada para receber e atrair pessoas das mais variadas categorias sociais, para isto, precisa ter locais apropriados para realização de suas festas, sejam elas sagradas ou profanas.

Lamentavelmente, temos o desprazer de saber, que uma grande quantidade de pessoas não vêm à festa porque possuiem vestimenta inadequada à beleza do evento. A falta de empregos e trabalho constante para gerarem riquezas, não permitem a que nossos irmãos pobres tenham direito de virem e ouvirem a celebração da Santa Missa do Galo. Isto, precisa mudar.