Garanhuns, 13 de dezembro de 2003
  Início
  Opinião
  Política
  Cidade
  Geral
  Cultura
  Sociedade
  Ed. Anteriores
  Expediente
 
CIDADE
 

Consumidor critica Bonanza e procura mercados de bairro

Núbia Kênia


Ultimamente vem crescendo a procura pelos supermercados de bairro em Garanhuns. Vários consumidores alegam que isso se deve ao fato dos altos preços e mau atendimento praticados pelo Bonanza, que recentemente adquiriu três novas lojas na cidade e praticamente está monopolizando o setor. A designer Meiry Tenório era uma consumidora fiel do Hiper Pérola, apesar de morar perto do Bonanza da avenida Rui Barbosa. Ela enfatiza que depois que a rede foi vendida, deixou de comprar lá porque não encontrou o mesmo sortimento, além da falta de cordialidade dos funcionários. "Hoje só faço feira no Supermercado Ipiranga, onde encontro preço e um atendimento vip", alega a designer.

Outra consumidora diz que a prática de preços no Bonanza é exorbitante. "Tudo é muito caro, diferente dos supermercados de bairro. Não adianta, o atendimento é ruim e o prazo não é o mesmo. Muitas amigas estão correndo para supermercado de bairro, onde encontramos um precinho bom e um atendimento cordial. A economia sobra no bolso. É como se estivesse em casa, bem a vontade", afirma artesã Ana Célia Barboza.

Sobre o assunto a gerente do Bonanza da rua Quinze de Novembro, Vera Lúcia Soares, diz que essa dificuldade está sendo superada aos poucos. Ela acredita que algumas pessoas estão deixando de comprar no Bonanza, não pela falta de atendimento, até porque os funcionários são os mesmos que atuaram junto ao Pérola, mas pelo amor que as pessoas tinham ao Pérola. "Houve uma certa rejeição, mas estamos trabalhando para conquistar mais e mais o nosso consumidor. Temos o cuidado de atender bem o cliente, sempre chegando junto e procurando atendê-lo em sua necessidade. Além disso, primamos pela organização, limpeza e conforto", destaca.

Por outro lado, os donos de supermercados de bairro, não vêem a coisa tão fácil, pois além de esbarrarem no pouco capital de giro, alegam que o Bonanza sempre procura prejudicar os mercados de bairro, porque sabem que eles são concorrentes. "Prova disso está quando todo dia uma pessoa do Bonanza vem aqui para pesquisar preços e vê a movimentação do mercado. Somos um pouco perseguidos. Mesmo assim, sempre estamos tentando satisfazer o cliente, melhorando a qualidade dos produtos e serviços", afirma Valdemar Gomes, proprietário do Supermercado Santos, instalado na Cohab II.

Já a proprietária do Supermercado Souza, Davina Silva, acredita que o aumento da clientela é devido ao trabalho sério realizado junto ao povo. "Faço tudo na minha loja. Lavo, abasteço, sou caixa, chego junto do cliente. Sou povão junto com o povão. Não temos luxo, nossa margem de lucro é pequena, por isso apostamos na qualidade do atendimento dispensado ao cliente", define Davina.