Garanhuns, 29 de novembro de 2003
  Início
  Opinião
  Política
  Cidade
  Geral
  Cultura
  Sociedade
  Ed. Anteriores
  Expediente
 

COLUNAS

 

COLUNA DE ULISSES

Ulisses Pinto


PRAÇA MONS. ADELMAR - Recentemente, o prefeito Silvino Andrade Duarte, ex-aluno do Colégio Diocesano de Garanhuns, sancionou a Lei Municipal que denomina a antiga Praça da Bandeira, de Monsenhor Adelmar Valença, marco histórico, grandeza de Garanhuns, que durante 44 anos ficou na direção do "Alto padrão de civismo e de glória", educandário que irá completar 90 anos de existência a 12 de outubro de 2005. Os 44 anos foram smente como mandatário do "querido lar", haja vista que o "padre Adelmar" como ele gostava de ser chamado, passou muitos e muitos anos naquele educandário.

A Câmara, por unanimidade de votos, aprovou o oportuno e significativo projeto de vereador Augusto Acioli, ex-aluno do "Diocesano". Aceitem os nossos parabéns a todos os vereadores e ao prefeito que sancionou a Lei.

A praça Monsenhor Adelmar Valença, é fato glorioso de Garanhuns. Se fez justiça a um sacerdote que durante 94 anos de existência teve uma vida pela educação, pela civilidade, pelos princípios de humanidade, pois ele foi a viga mestra desse colégio ao lado dos "Valença" e de outros denodados defensores falecidos e vivos do "gigante Monsenhor Adelmar" que tem agora a praça com seu nome. Este colunista, seu ex-aluno, se mistura com a boa nova. .

Existe naquelas paragens as praças Mons. Adelmar Velnça, professora Almira Valença (irmã do padre Adelmar), Tiradentes, Dom Moura e Esplanada Cultural Guadalajara. Todas Pertinho uma das outras.

Esperamos que o prefeito Silvino dê uma ajeitada nas duas primeiras mormente na denominada Almira Valença, outra figura que brilhou no "Diocesano" com maestria, abnegação, altruísmo, também nossa ex-professora.


ZONA AZUL - O prefeito Silvino vetou parte da Lei que criou a "Zona Azul". Mas, aproveitando uma maioria ocasional, a Câmara local rejeitou o veto. Segundo o Dr. Silvino quem vai decidir o "caso" é a justiça. Mas a zona vai continuar.

Acha o prefeito que alguns artigos ferem a Constituição.

Resta aguardar acontecimentos sobre o assunto, dentro de pouco tempo.


E ELES? - Os "falados" candidatos a prefeito, são os seguintes: Almir Penaforte, Bartolomeu Quidute, Jorge Branco Neto, Sivaldo Albino, Paulo Camelo, Luiz Couto, Márcio Quirino, Gedécio Barros, Alexandre Bezerra, Givaldo Calado, Ivo Amaral e ainda outros que podem surgir na complicada sucessão municipal de 3 de outubro do ano vindouro.


ADMINISTRAÇÃO LOCAL - Na manhã do dia 13 do anndante, houve uma reunião de radialistas e jornalistas desta cidade, a pedido do prefeito Silvino Duarte, a fim de falar sobre assuntos de sua administração.

De início, no "Centro Administrativo Arlinda Valença", o dr. Silvino Duarte, fez uma pequena esplanação de seu governo, mesmo reconhecendo as dificuldades da prefeitura, disse que vai pagar o 13º salário do funcionalismo e os meses de novembro e dezembro (ativo e inativo).

Afirmou que esteve em Brasília com muitos prefeitos a cata de recursos. Mas, reconhece as dificuldades não só dos municípios, como também da União e dos Estados.

Alguns jornalistas fizeram indagações, tendo o médico respondido as perguntas.

Num ônibus fretado, uns 15 jornalistas percorreram vários pontos da cidade, tendo o dr. João Inocêncio Guido, Secretário de Planejamento, dado todas as informações de dezenas de obras, algumas delas quase terminadas, como o Centro de Controle Ambiental, Aterro Sanitário, na estrada que vai para Caetés, Escola Modelo Prof. Letácio Pessoa, na Boa Vista (lotação para quase mil alunos), Centro de Saúde, em Heliópolis, depósito para cães vadios, 22 ruas que estão sendo asfaltadas (só no bairro aludido acima).

Na sua palestra, o prefeito afirmou que na campanha eleição municipal, seus adversários irão passar nas suas obras concluídas em 2004.

Apenas o vereador Givaldo Calado, participou da caminhada de ônibus que de vez em quando parava para a turma observar "in loco". Não existe dúvidas, a administração local vai no bom caminho de muitas obras, inclusive algumas delas com a ajuda dos governos do Estado e da União.