Garanhuns, 08 de novembro de 2003
  Início
  Opinião
  Política
  Cidade
  Geral
  Especial
  Cultura
  Sociedade
  Ed. Anteriores
  Expediente
 
OPINIÃO
 

O fundo do poço

José Rodrigues


Lendo o Jornal Tribuna de Alagoas, datado de 29 de outubro passado, deparei-me com uma notícia inacreditável. Conta o mencionado jornal que naquele Estado há um delegado de polícia fornecendo cestas-básicas a quem apontar criminosos que encontram-se foragidos da polícia. Vejam, senhores, a que ponto chegou o nosso país. Descobrir, prender criminosos é uma obrigação do Estado. Fornecer cestas-básicas com esta finalidade é uma prova da mais absoluta incompetência.

O referido delegado, se for verdade o que diz o jornal, está querendo retroceder o tempo, quando os alemães e outros povos que adotavam os regimes totalitários pagavam as pessoas de baixo caráter para deletar os fora da lei, que eram criminosos, para levá-los à cadeia. Muitos inocentes foram recolhidos à prisão para morrer nos campos de concentração.

Este sistema foi adotado pela gestapo alemã, e pelos paises totalitários durante a Segunda Guerra Mundial. Alemanha, Rússia e Itália foram responsáveis pela morte de milhões de pessoas, a maioria inocente.

O Estado que prende bandidos oferecendo cestas-básicas dá um atestado evidente da sua incompetência para combater a criminalidade. O delegado em questão, se for verdade o que diz O Jornal a Tribuna, está se aproveitando do estado de miserabilidade em que se encontraram milhares de pessoas, que para não morrer de fome, sujeitam-se a receber quilos de açúcar, pedaços de carne, punhados de farinha para desempenhar o trabalho que compete à polícia realizar.

Esperamos que este meio ridículo de prender bandidos não venha se estender nos outros estados da federação. Este episódio mostra a incompetência que tem o país para evitar a criminalidade e oferecer à sociedade à paz necessária aos cidadãos.

Usar pessoas para dedurar alguém que praticou delitos, antes de ser uma confissão de incapacidade policial, é, também dar prova da falta dos meios científicos obrigatórios ao aparelho policial, indispensável a manutenção da paz e segurança da comunidade.


O Brasil encontra-se numa crise muito grande por falta de trabalho para milhoes de operários. Prevalecendo a teoria do delegado alagoano, de fornecer cestas-básicas a civis para dedurar criminosos; quem sabe, seria uma boa idéia organizar um pelotão composto de desempregados para caçar criminosos e metê-los na cadeia.

O sistema prisional brasileiro é o pior do mundo, pior, porque não reeduca os criminosos, e permite que eles cometam os mais terríveis delitos dentro das prisões. As nossas autoridades ainda não aprenderam que cadeias não reeducam ninguém. Os Governos gastam somas incalculáveis na construção de presídios e investem muito pouco na educação. Um dia, eles passam a saber que seria melhor construir escolas e aprimorar o ensino, e que assim fazendo, poderiam resolver a questão da criminalidade, e trazer para o povo a paz social de há muito tempo reclamada.