Garanhuns, 08 de novembro de 2003
  Início
  Opinião
  Política
  Cidade
  Geral
  Especial
  Cultura
  Sociedade
  Ed. Anteriores
  Expediente
 
COLUNAS
 

HUMOR

Raulzito


Criminalidade zero

Garanhuns, conforme mostra muito bem o jornal Rota do Crime, uma espécie de Ronda Policial de papel, está concorrendo com o Iraque em matéria de matança. Lá no país de Sadão, ultimamente, morreram de morte matada 18 americanos num único final de semana. E é porque a guerra acabou fazem seis meses, conforme alardeou o presidente Bucho.

Aqui na terrinha, mais modesta, até agora, transcorridos pouco mais de 10 meses do ano, só assassinaram umas 50 pessoas.

E por amor de Deus não me crucifiquem porque considero este número pequeno. O próprio comandante da PM local, o coronel Plínio das sete Chaves, disse na rádio que esse índice de homicídios está dentro da mais absoluta normalidade. "O ano passado mataram mais", justifica o importante homem da lei, tranquilizando homens e mulheres da nossa pacata cidade.

Por esse raciocínio está tudo normal: os brutais crimes ocorridos em Capoeiras, o bang bang de Lajedo, os tiroteios de Jupi e os tirinhos que de vez em quando andam dando na bucólica cidade de São João.

Anormal, mesmo, aqui nesses Agrestes de Luiz Inácio Lula da Silva, só em Lagoa dos Ouro. Imagine que neste município, outrora dos mais violentos, até agora este ano não mataram ninguém.

O que está acontecendo na cidade governada pelo Marquidoves? Será que é porque lá tem ouro de verdade? Por acaso o super homem existe e resolveu morar aqui pertinho para esquecer a Louis Lane? Ou tudo é obra do prefeito e da briosa polícia de Jarbas?

Sei não, se em todo lugar fosse assim era capaz dos polícia perder o emprego e aí aumentaria mais ainda o cordão de gente sem trabalhar.

O fato é que em Lagoa dos Ouro a oposição já tem um mote para a próxima campanha política: "esse prefeito acabou com tudo na cidade, até com a criminalidade", haverão de dizer os oposicionistas, revoltados com a falta de progresso local.

- Veja que fomos ultrapassados por Caetés, Capoeiras, Jupi e Brejão. Até em Jucati estão matando mais gente do que aqui. Precisamos atingir o progresso de Lajedo e Garanhuns - dirão os mais exaltados, criticando a gestão de Marquidoves.

Se brincar, é capaz até de acontecer uma greve, em Lagoa dos Ouro, protestando contra a criminalidade zero do lugar.

Aí não faltará o pessoal da CUT, do PT radical, do Sintepe e do PSTU. Talvez até Babá e Heloísa Helena dêeem uma passadinha na Lagoa cheia de Ouro.

- Esse prefeito é um déspota. Ele nem ao menos deixa ninguém dar um tiro no inimigo. Democracia já, queremos ser grandes como Garanhuns - dirá um dos militantes da esquerda.

Mas, como sempre, será muito barulho por nada. Afinal de contas tanto faz nenhum crime quanto 40. Tudo depende da maneira de encarar o problema.

Se você pegar o número de assassinatos ocorridos em Garanhuns, nos últimos 10 anos, relacionar com o crescimento geométrico da cidade, multiplicar pelo número de pessoas desempregadas e dividir com o total de PMs que precisam fazer bico para sobreviver, verá que a criminalidade daqui é quase zero.

Aí então você chegará a conclusão de que a Suíça Pernambucana é muito mais tranquila de que Lagoa dos Ouro e Calçados e na verdade ninguém morreu de morte matada na cidade ultimamente.

Raciocinando assim, você poderá tirar aquele sarro com sua nega num domingo à tarde, no Pau do Pombo, ou mesmo comer no carro uma sirigaita qualquer, no Alto do Magano, à meia noite em ponto.

Eu mesmo, no próximo final de semana vou levar a Viviane no Alto do Columinho, sem medo de ser feliz e de bala perdida.

Garanhuns não tem fome zero e a violência também estancou.

Os que perderam seus entes queridos, os que choraram, derramaram lágrimas à toa.

Viva a pacata Garanhuns! Viva a polícia!