Garanhuns, 25 de outubro de 2003
  Início
  Opinião
  Política
  Cidade
  Geral
  Especial
  Cultura
  Sociedade
  Ed. Anteriores
  Expediente
 
OPINIÃO
 

Para não Dizer que não Falei em Flores

Pedro Jorge Valença


O adágio popular diz: O homem tem de gerar um filho, escrever um livro e plantar uma árvore. Vamos esquecer os dois primeiros e se deter no último.

Dom João VI, que reinou Portugal e o Brasil, abriu os Portos, distribuiu sesmarias , fundou o Banco do Brasil, mas só ficou conhecido por ter construído o Jardim Botânico. Dom Pedro , o Primeiro, deu o Grito de Independência, mas é lembrado porque plantou uma árvore que tomou o nome de Palmeira Imperial.

Na República, Getúlio Vargas, Governou o Brasil por três vezes, foi da Academia de Letras, mas como não plantou uma árvore, está esquecido. Jucelino Kubitschek, só construiu Brasília, depois mostrou competência fazendo o Parque da Pampúlia. Em Pernambuco Joaquim Francisco , tenta voltar mostrando o Parque da Jaqueira. Em Garanhuns, Dr. Celso Galvão , governou por dois mandatos, construiu a Sede da Prefeitura, que hoje está pequena, porem ficou marcado pelas Praças da Bandeira e Dom Moura. Aluisio Pinto, foi um dos maiores Prefeitos, hoje é lembrado pela reforma da Avenida Santo Antônio, muito bem ajardinada e arborizada.

Amilcar Valença, construiu dois Mercados Públicos, a Ceaga, o Colégio Municipal, a Faculdade, aterrou o Buracão, renovou a frota e adquiriu a primeira Moto Niveladora de uma Prefeitura do Interior. Ia ser lembrado quando foi denunciado, por ter construído uma Quadra Coberta, só que a obra estava assinada por dois Engenheiros: Gabriel Duarte e Eugenio Pires , que também eram os Comandantes do 71 BI. Como a Revolução estava em atividade, foi uma pá de terra nas falsas denúncias. Hoje é lembrado pela arborização intensa que promoveu na Cidade, contando com a ajuda de Zé Neto.

Ivo Amaral, pavimentou toda a Cidade, fez o calçamento e asfalto em quase mil ruas, usou o seu prestigio para colocar dezenas de conterrâneos em postos chaves do Governo Estadual , o Matadouro, fez o primeiro Festival de Inverno e a Garanheta, mas ficou ligado a uma obra que identifica Garanhuns em todo o Brasil : o Relógio de Flores.

Bartolomeu, criou Postos de Saúde, Saneamentos, calçamento em ruas e logradouros , reformou o Parque Euclides Dourados, mais é lembrado pela construção das Praças .

Zé Inácio , construiu Escolas na Cidade e Distritos, calçou os Distritos e inúmeras Ruas e Logradouros. Sua grande obra foi a reformulação do Sistema Viário do Município, ainda hoje muito bem atendida, só que ninguém lembra que ele foi o autor dessa importante obra.

Silvino: Fez Saneamentos, Galerias, Protegeu as Encostas, construiu Tanques de Decantação, foi reconhecido e reeleito. Com a Praça da Bíblia, a reforma de Avenida Rui Barbosa, a Entrada de Garanhuns, a Reforma da Praça Guadalarara, está cumprindo a meta de ter muitas árvores plantadas. Como ainda está no Governo, não tem o seu Ícone.

Garanhuns contou com nomes que primaram pela arborização da Cidade e hoje são lembrados pelas denominações de suas obras: Parque Euclides Dourado, Parque Ruber van der Linder.

Está rolando por ai, uma sugestão para se construir um Horto Florestal , com plantas originarias do Agreste Arenoso , Caatinga e Agreste Úmido, pois Garanhuns devido o seu clima e solo, é o único Município do Estado que pode fazer uma obra dessa.

Para não Dizer que não Falei em Flores, foi o título da música que Geraldo Vandré, escolheu para criticar a Revolução, mostrando que até para falar mau, a inclusão de flores, deixa a crítica mais amena . Como estou certo que essa sugestão vai se concretizar , concluo com a estrofe de Vandré: Quem sabe faz a hora , não espera acontecer...