Garanhuns, 25 de outubro de 2003
  Início
  Opinião
  Política
  Cidade
  Geral
  Especial
  Cultura
  Sociedade
  Ed. Anteriores
  Expediente
 
GERAL
 

Sebrae incentiva trabalhos manuais

Além do trabalho que desenvolve junto ao comércio, à pequena indústria e ao setor agropecuário, o Sebrae Garanhuns agora resolveu investir no artesanato e no turismo local. A entidade está recebendo trabalhos de artesãos da cidade e no próximo dia três de novembro, na unidade localizada na Rua XV, estará promovendo uma reunião com todos os interessados nesse apoio da organização, sempre voltada para os microempresários e empreendedores em geral.

O Sebrae já vem recebendo trabalhos manuais dos garanhuenses nas áreas de tapeçaria, esculturas de madeira, bonecas de pano, artesanato religioso e com o uso de vidros. Têm procurado o órgão tanto pessoas individualmente quanto associações e até a ONG dirigida pela advogada Ielma Lucena, que funciona na Cohab I. "Existe todo um potencial desses artistas que precisa ser melhor desenvolvido", declara Gerlane Alves, Analista de Desenvolvimento do Sebrae Garanhuns.

Segundo Gerlane, o objetivo da entidade é organizar e capacitar os artesãos da Suíça Pernambucana, de modo que eles desenvolvam cada vez mais o potencial que possuem. O projeto do Sebrae é contribuir com os artistas da cidade de maneira que suas peças possam servir também de incremento turístico na vida do município.

Gerlane revela que está tendo todo apoio, nessa nova atuação do Sebrae, da Coordenadora da instituição em Garanhuns, Ana Cláudia Mendonça. Ela espera também ter como parceira nesse projeto a Prefeitura Muncipal, além dos próprios artesãos.

Uma das idéias da Analista de Desenvolvimento é posteriormente, com esse artesanato local já consolidado, levar peças produzidas por artistas locais para os hotéis da cidade. "Assim nós divulgaremos nossa produção com os turistas", explica Gerlane.

A direção do Sebrae acredita nos artesãos de Garanhuns e não vê porque a cidade não estar representada na Casa Cor, localizada no Recife, que tem um espaço reservado para o artesanato de Pernambuco. "No momento os artesãos locais estão de fora, mas podemos mudar esse quadro", acredita Gerlane Alves.