Garanhuns, 11 de outubro de 2003
  Início
  Opinião
  Política
  Cidade
  Geral
  Especial
  Cultura
  Sociedade
  Ed. Anteriores
  Expediente
 
OPINIÃO
 

12 de outubro - Dia da Criança

Odete Melo de Souza


Nada mais lindo e santo do que uma criança!...

O brilho e encanto de seu olhar, a espontaneidade de seus gestos, a sinceridade de suas palavras!...

Quando estou diante de uma criança, dois pensamentos me assaltam: um, de ternura pelo presente e outro, de respeito por aquilo que ela pode ser no futuro, afirmou a grande educadora, Maria Montessori.

O Divino Mestre porém, foi mais longe, quando garantiu-lhe a felicidade suprema, setenciando: deixai vir a mim as criancinhas porque delas é o reino dos céus. E ainda acrescentou: Quem não se fizer como criança, lá não entrará.

A pureza é o privilégio e atributo sine qua non da criança.

É lamentável constatar a ausência dessas prerrogativas infantis. Pois, encontramos numerosos desses pequeninos seres perambulando pelas ruas de nossas cidades, desnutridos, nus ou seminus, famintos, doentes e pior ainda, corrompidos, futuros criminosos ou dolorosamente, já criminosos.

Esta catástrofe humana, paralela às catástrofes naturais e inevitáveis e à pervesidade dos "poderosos da Terra" grassa por todo o Planeta, especialmente pelos países subdesenvolvidos, onde a educação é meta relegada a último plano pelos poderes públicos.

O lema "Lugar de Criança é na Escola!..." Está muito distante de ser concretizado.

É desolador presenciar crianças abandonadas, espancadas, seviciadas e até assassinadas pelos próprios pais.

"A maneira mais adequada de resolver problemas não é apontar culpados, mas apontar soluções". Atrevo-me porém, a apontar fatores incontestes e responsáveis pela maldita parafernália, que é a degradação moral dos tempos presentes:

A irresponsabilidade paterna.

A libertinagem dos costumes divulgada e vivenciada através dos meios de comunicação, sobretudo a televisão.

A pseudo-educação distorcida e desencontrada com a própria etimologia da palavra e criminosamente ministrada em nossas Escolas.

Para conquistar, ou melhor, para desafiadamente reconquistar o equilíbrio moral e a educação das crianças, precisaria com certeza, uma violenta revolução nos costumes dos povos e um assimilar consciente desta urgente necessidade, por parte de todos - pais, educadores, família, sociedade, governo.

Gostaria sim, de comemorar o dia 12 de outubro com todas as crianças do mundo inteiro, pobres ricas, pretas e brancas, doentes e sadias, feias e bonitas, deficientes e perfeitas, boas e más, dando-lhes as mãos, cantando e dançando aquela IMACULADA CIRANDA da fraternidade, da compreensão, da ajuda, da paz, da justiça, do amor e sobretudo da PUREZA e da INOCÊNCIA.

RESGATEMOS AS CRIANÇAS!... SALVEMOS O MUNDO!...