Garanhuns, 11 de outubro de 2003
  Início
  Opinião
  Política
  Cidade
  Geral
  Especial
  Cultura
  Sociedade
  Ed. Anteriores
  Expediente
 
COLUNAS
 

HUMOR

Raulzito


Guerra à máfia de branco

O jornal O Pasquim, na década de 70 foi quem cunhou a expressão acima, "a máfia de branco". Ná época o irreverente periódico publicou uma série de reportagens, artigos e notinhas denunciando as safadezas dos médicos.

Talvez inspirado nesse capítulo da imprensa brasileira, o repórter Tiago Salsicha, da Rádio Mangando FM, resolveu declarar guerra aos médicos aqui de Garanhuns.

O entrevistador motoqueiro saiu pelas ruas entrevistando gato, rato, cachorro e a bicharada toda disse que tá na hora de tirar os homens de branco da prefeitura.

Eu, que também estou cada vez mais interessado nos problemas da cidade, também resolvi fazer minhas próprias entrevistas, conversando com o povo. Confesso a vocês, meus fiéis leitores, que fiquei espantado com a disparidade de opiniões encontradas.

Dona Maria, da Cohab Um, disse que não aguenta mais médicos no Palácio Celso do Galvão.

"Botaram um ginecologista, a merda jorrou pelas ruas. Veio um dermatologista, não deu jeito nem nas muriçocas. Agora vem o quê? Um pediatra? Ora, por que não um pederasta? Afinal de contas é a classe que mais cresce atualmernte", declarou a corajosa mulher.

O seu José, do bairro da Brasília, também não deixou por menos.

"Outro dia levei minha mulher pra o médico com uma dor no pé e o Dr. receitou um colírio pra ela. Sem falar que um outro médico aqui da cidade passou sonrisal para curar um problema de pedras nos rins. Ora, se eles cuidam desse jeito da nossa saúde, como podem governar a cidade?

Um cara chamado Antônio, lá do Mundaú, acha que o prefeito devia ser um engenheiro, que sabe construir prédios. Mas Lurdinha, lá da Vila do Quartel, prefere um advogado, "para defender o povo". Cícero, da Cohab Dois, defende o nome de um empresário, que no seu entender sabe administrar. Risoleide, do Magano, imagina que o melhor seria um padre, "por conta da justiça divina".

Difícil, mesmo, tá encontrar quem esteja disposto a dar mais quatro anos aos homens de branco.

Tudo por conta de Bartolomeu Quichute e Sirvino, que não acabaram com a mortalidade infantil, nem com a falta de esgoto, nem com a praga das muriçocas, nem com a blenorragia.

Segundo Joaquim, que é eleitor do vereador Chocolate de Cacau e morador de Iratama, a única coisa que Sirvino conseguiu acabar mesmo em Garanhuns, na área da saúde, foi com as ambulâncias. Não tem uma para servir a população.

Tem até opiniões mais radicais, como a de Aninha, que trabalha num bar nas proximidades da rua da Madeira. Segundo ela, o prefeito devia ser uma mulher, de preferência uma puta mesmo.

- Nós sim, entende de dificulidade e poderia trabaiá em benefício do povo. Médico só pensa em dinheiro, num é como nós. A gente, seu Raulzito, luta só por uns trocados para dar de comer ao filhos e comprar umas calcinhas. Tirando isso queremos é ter prazer. Com uma de nós na prefeitura, esteja certo, o povo ia gozar à vontade.