Garanhuns, 11 de outubro de 2003
  Início
  Opinião
  Política
  Cidade
  Geral
  Especial
  Cultura
  Sociedade
  Ed. Anteriores
  Expediente
 
GERAL
 

Polícia acredita em crime passional

Passados mais de oito dias do assassinato da ex-funcionária de Alves de Lima e Cia, Eva Vilma Pereira do Nascimento, 39 anos, a polícia ainda não tem nenhuma pista sobre a identidade do assassino. O delegado Aldo José Pereira, que foi designado especialmente para presidir o inquérito policial, informou que há fortes indícios de se tratar de um crime passional, já que foi descartada a hipótese de latrocínio (roubo seguido de morte), pois nenhum pertence da vítima foi subtraído, inclusive R$ 225,00 e cartões de crédito que estavam com ela. "Não posso adiantar mais nenhum detalhe apurado pelas primeiras investigações para não atrapalhar a identificação do suspeito (s)", declarou.

Segundo o laudo pericial a vítima foi atingida por um tiro na cabeça, na região da nuca, deflagrado por um revólver, de calibre não informado. Ela foi encontrada já sem vida, no último dia primeiro, por volta das 14:30 hs, no Sítio Campo Sujo, município de Paranatama, às margens da BR 423. Além disso, o delegado revelou que acredita que houve luta corporal da vítima contra o assassino (s), já que seu corpo apresentava alguns arranhões e hematomas.

De acordo as informações levantadas pela polícia, no dia do crime, Eva teria vindo ao centro de Garanhuns com sua mãe. Já próximo das 11 horas, sua mãe ficou na Igreja Matriz de Santo Antônio e mandou que ela fosse ao Restaurante de Azevedo pegar uma "quentinha" (marmita), já que não tinha nenhuma comida pronta para o almoço. Passado mais de uma hora, sua mãe informou a seu irmão que ela havia sumido e começaram a procurá-la sem obter nenhuma informação sobre seu paradeiro, sendo informados posteriormente, pela polícia, do seu assassinato.

Desde a anteontem que o delegado Aldo Pereira está fazendo a ouvida de familiares e amigos da vítima, que era considerada uma pessoa bastante tranqüila. A reportagem do Correio Sete Colinas procurou a família de Eva Vilma, entretanto nenhuma pessoa teve condições emocionais de falar sobre o assunto. (NK)