Garanhuns, 27 de setembro de 2003
  Início
  Opinião
  Política
  Cidade
  Geral
  Especial
  Cultura
  Sociedade
  Ed. Anteriores
  Expediente
 
CIDADE
 

Desemprego atinge Garanhuns

A inauguração das novas instalações da Parmalat Garanhuns, no último dia 18, trouxe mais esperança para cerca de 100 Garanhuenses que tiveram a sorte de integrarem o quadro funcional da empresa. Infelizmente outras centenas de pessoas não tiveram a mesma alegria, e vivem uma peregrinação diária em busca de uma vaga no mercado de trabalho da cidade.

Pessoas como Joana Maria da Silva, 20 anos, que tem curso de informática, iniciação em inglês, e que terminou o segundo grau ano passado, e desde então tenta encontrar um emprego na cidade. "São 9 meses distribuindo curriculum por toda a cidade, e nada. Não sei mais o que fazer, pois preciso trabalhar para ajudar em casa e custear um curso universitário", conta.

O dia a dia de Karina Almeida, 25 anos, não é diferente da rotina de Joana. Ela conta que está cursando o 5º período de Administração na FAGA, fez alguns cursos junto ao Sebrae, fala dois idiomas, e mesmo assim ainda não conseguiu nenhum emprego. "Assim que concluir o curso pretendo morar em Recife.
Tenho várias amigas que terminaram Administração, há anos, e nunca conseguiram nenhum trabalho, na área, em Garanhuns. A maioria está trabalhando no balcão de loja. Isto não quero pra mim", enfatiza.

Para enfrentar a problemática do desemprego na cidade o diretor da Faculdade de Formação de Professores de Garanhuns (FFPG/UPE), Petrúcio Lins de Morais, diz que têm procurado melhorar a qualificação, dos futuros professores, para atender as exigências do mercado de trabalho. Em média 300 professores terminam a faculdade por ano. "Temos observado a falta de concurso públicos que atendam a demanda que colocamos no mercado", ressalta.

Petrúcio acredita que o desemprego na área de educação é reflexo de uma política econômica implantada pelo FMI no Brasil, que atinge os Estados e Municípios, provocando a diminuição de ofertas de empregos em todos os setores.

Já a coordenadora do Sebrae Garanhuns, Ana Cláudia Mendonça, que é responsável por 30 municípios, revela que para fomentar a geração de emprego e renda na cidade e região, o órgão promove cursos de capacitação, facilitando o acesso ao crédito, estimulando a cooperação entre as empresas, organizando feiras, rodadas de negócios e incentivando o desenvolvimento das atividades que contribuem para a geração de emprego e renda.

"Nossa atuação se dá prioritariamente nos setores do comércio, leite e turismo, que são hoje as grandes fontes geradoras de emprego na região. Juntamente com a orientação empresarial, realizamos ações de tecnologia, capacitações, consultorias, seminários, onde buscamos trazer conceitos atuais para os empresários, visando aumentar a sobrevivência das micro e pequenas empresas", explica Ana Claúdia.

Por outro lado, o Poder Municipal também está desenvolvendo programa para minimizar a crise de desemprego no município, segundo informações do secretário de Desenvolvimento Econômico de Garanhuns, Ivan de Oliveira Júnior. Ele esclarece que desde 2001 a Prefeitura Municipal implantou o Programa "Desenvolva seu Município", pelo qual foram capacitados cerca de 5 mil pessoas, com programas voltados para as áreas de serviços e profissionalização. "Antes de gerarmos emprego, precisamos agir com a capacitação. Estamos recebendo, com muita satisfação, a unidade do Senai para capacitar os jovens, e recolocar no mercado de trabalho, aqueles que estão fora, através de uma escola profissionalizante.Através da capacitação você tem condições de entrar no mercado de trabalho", afirma.

O secretário Municipal ainda conta que existe, no município, um programa para incentivar a instalação de novas empresas na cidade, na área de serviço, onde o Poder Municipal dá de zero a 100% de incentivo, mediante um projeto que faz com que essa empresa proporcione geração de emprego. "De dois anos pra cá, tivemos cerca de oito novas fábricas sendo instaladas no município, três delas sendo instaladas no distrito industrial.

Entretanto, não grandes empresas, porque com a modernidade as grandes empresas geram poucos empregos. Tivemos o interesse de trazer o micro e pequenos empresário para investir em nossa cidade. Acredito que Garanhuns tem passado por programa de crescimento muito importante, até porque clínica de grande porte estão sendo instaladas na cidade, como é o caso da CLINOPE, Hospital da Unimed, que estão gerando centenas de emprego para a população de Garanhuns", finaliza Ivan Júnior.

A reportagem do Correio Sete Colinas tentou entrar em contato com a direção da FAGA, que vem desempenhando um papel relevante para a profissionalização da população, para saber quais os caminhos encontrados pela instituição para combater o desemprego na cidade, mais não obteve êxito, pois tanto Eliane Simões como o professor Ademilton estavam ocupados e não puderam falar com a repórter.