Garanhuns, 30 de agosto de 2003
  Início
  Opinião
  Política
  Cidade
  Geral
  Especial
  Cultura
  Sociedade
  Entrevista
  Ed. Anteriores
  Expediente
 
CIDADE
 

Liminar suspende leilão do BB

Núbia Kênia


Pela segunda vez consecutiva o leilão do prédio da agência do Banco do Brasil (BB) de Garanhuns não se realizou, devido a uma Liminar, conquistada pela direção do Banco, junto ao Tribunal Superior do Trabalho (TST), que suspendeu o leilão marcado para acontecer na Vara do Trabalho de Garanhuns a última terça.

Segundo o presidente do Sindicato dos Bancários, Flávio Alberto Barbosa Batista. os argumentos utilizados para conseguir essa nova Liminar foram os mesmos utilizados na primeira vez, quando em novembro do ano passado, os advogados do BB conseguiram um Mandato de Segurança. Ou seja, o Banco do Brasil alegou que existe um Recurso Ordinário no TST impetrado sobre uma Ação Rescisória, e que antes desse julgamento o leilão não poderia acontecer. "Todavia essa alegação do Banco já foi analisada e derrubada pelo Pleno Tribunal Regional do Trabalho, ¨6ª¨Região", afirmou Flávio.

REUNIÃO- Na última terça, a direção do Sindicato dos Bancários se reuniu,com o advogado chefe do núcleo jurídico do BB em Caruaru, Dr. Rutênio Araújo, para saber se existe uma proposta para resolver a causa. Entretanto, o advogado insistiu em querem modificar o mérito da ação, os cálculos já homologados pela Justiça, dentre outros pontos. "Não concordamos com essa colocação, uma vez que a fase processual para discussão desses pontos já passou há muitos anos. Os itens que o BB quer mudar não podem ser modificados, pelo fato de já estarem preclusos," define.

Sobre a resolução do débito trabalhista, Dr. Rutênio Araújo, afirmou que o Banco tem interesse em realizar um acordo nesta ação. "Fica difícil de acreditar, pois desde 1991 que o BB só tem ingressado com recursos sobre recursos, apenas para protelar a ação. Quem tem interesse em celebrar qualquer acordo, tem uma postura diferente".

O setor jurídico do Sindicato está aguardando a notificação oficial da Justiça do Trabalho para contestar a nova ação cautelar movida pelo BB. Não mediremos esforços para derrubar essa nova liminar, finaliza.