Garanhuns, 16 de agosto de 2003
  Início
  Opinião
  Política
  Cidade
  Geral
  Especial
  Cultura
  Sociedade
  Ed. Anteriores
  Expediente
 
COLUNAS
 

HUMOR

Raulzito


O aniversário do Raulzito

Minha mãe mora nos Estados Unidos, meu pai vive em Manari, cidade com menor IDH de Pernambuco - o que significa que lá todos vivem fodidos - e minha namorada, a Viviane, habita o bucólico bairro de São José, menos amundiçado do que o Magano e mais do que a vizinha Brasília.

Por esse começo, vocês podem muito bem sacar, já que todos os meus leitores são altamente inteligentes, que existe uma grande diferença entre eu, padre Carlos Lelé, Márcio Quinino, Sivardo, Sirvino, Bartolomeu Quichute, Izaías Régua e João Inocente Mesmo.

É que todos eles têm uma família mais organizada, são cheios de tradição e os seus parentes e aderentes não vivem tão espalhados assim. Procuram estar sempre juntos, principalmente quando oupam cargos públicos e participam das diputas eleitorais.

São umas gracinhas, nossos nepotistas, que de modo nenhum podem ser confundidos com neo petistas.

Bem, mas a elite de Guaranhuns inventou agora uma mania de transformar aniversário em convenção política.

Começou com o padre Lelé, se não estou enganado ainda o ano passado e pegou fogo em pleno frio agora em julho e agosto, com uma festa de arromba de Márcio Quinino.

Dizem que na festa do homem tinha tanta gente que parecia a greve dos funcionários da previdência. Carro de som, apitaço e um monte de gente sem fazer nada.

Mais recentemente, o João Inocente comemou de uma vez só a aprovação de suas contas como presidente da Câmara e o aniversário que aconterá lá pra o fim do mês. Bom, muito bom, porque daqui a oito ou quinze dias ele faz outra festinha.

E o Sivardo botou pra lascar. Encheu a cidade com cartaz grande, colorido (desculpem, eu não sei escrever a palavra out door), gastando com a ajuda dos amigos só nessa propaganda o dinheiro de umas oito vacas boas de leite.

E eu faço essa comparação não porque não goste do real, mas porque os amigos ajudaram dando bois, carneiros, porcos, galinha, mocó, tanajura, sarapatel, cerveja, cachaça e até as tais fotos coloridas.

O aniversário de Sivardo tava tão animado, que até o prefeito Sirvino e a primeira dama dona Orora riram de verdade nesse dia. Muitos, que nunca tinham visto o sorriso do homem, ficaram espantados, pensando tratar-se de um sósia, contratado especialmente pelo vereador-presidente.

Este, por sinal, ao fazer os agradecimentos, caprichou: disse que não importava a cara feia do prefeito, gostava dele assim mesmo.

Como ainda falta o aniversário de Luís Carlos do Jardim das Oliveiras, Ivo Amará, Paulo Camelo, Givaldo Falante e Jorge quase Branco, ainda teremos muita festa por aí.

Estou disposto, contudo, a superar todos eles na minha festa de aniversário, que será divulgada oportunamente nas rádios da cidade, no Aluízio Ronda, no Marcos Caroço, no Rocir a caminho de Santiago e através da voz tesuda da Cássia Sat.

Vocês que me acompanham desde os primeiros números desse centenário jornal (não tem 100 anos, mais já está no número 101), devem saber que minha festa de aniversário será comandada pela minha namorada Viviane.

E se os possíveis candidatos à prefeitura estão se jactando porque não discriminaram, convidando todos independente de interesses e ideologia, esperem por mim que serei muito mais eclético.

Convidarei todas as siglas: o PT, o PV, o PFL, o PSDB, o PMDB, o PPS, o PP, o PDT e principalmente os militantes do PQP.

Chamarei o bispo Dom Irineu Roque V, o dono da bodega de Ferreira Costa, o Marinho da Pérola Jóia Magazine, o pessoal da Maúrício Permanente, seu Neilton do Senadinho, e até empresários emergentes, como Nido e Azevedo.

Convidarei os flanelinhas da Avenida Santo Antônio, os responsáveis pela zona azul e as meninas que administram com muito mais sacrifício a zona vermelha.

Juntarei ao meu lado os dirigentes do Sete de Setembro, o empresário Alexandre Guilherme, o professor Silvio, do Colégio Estadual e o juiz ou juíza que deu um pedaço do Gigante do Agreste ao ex-dirigente do alviverde garanhuense.

Virá Arraes, Jarbas, Lula, Fernando Henrique, o presidente Bush e se duvidarem de mim trarei até o Saddan e o Bin Laden.

Será uma festa como nunca se viu na cidade, com reportagem no fantástico e na CNN.

Ora, se um matuto do Caetano, que nasceu na Válzea (?) Comprida, que fala como um bode rouco, tem um dedo a menos, hoje manda nesse puteiro, porque eu não posso fazer tudo isso?

Vou fazer sim. Sirvino, padre Lelé e Izaías Régua que se cuidem. Estou disposto a entrar também nessa disputa, não para ser prefeito, mas para mostrar a eles que faço uma festa de aniversário muito maior, com direito a aparecer nas colunas de Kitt, de Saulo, do João Aberto e do Orismá.

Na próxima reportagem do Inaldo Sampaio com certeza também serei citado, embora não tenha nenhum interesse político com o rebucetê que irei promover.

Nesse ponto, sou igualzinho a eles, só penso no povo, só quero ver a mundicinha se divervetir.

Até a próxima, com um grande abraço para os colegas de batente Ronaldo César, que tem nome de rei e Carlos Janduy, o nosso poeta-professor. Se o povo me colocar na prefeitura - mesmo sem eu querer - vocês serão meus secretários de comunicação e cultura, respectivamente, mesmo que não aceitem. (Olha aí eu já aprendendo a fazer promessa também).

E desde já quero lançar dois slogans, que serão devidamente submetidos à apreciação do Marcelo Free Jorge: "Chega de faniquito a melhor opcão é o Raulzito". Ou ainda: "Esqueça a periquita, vote no Raulzito.