Garanhuns, 23 de julho de 2003
  Início
  Opinião
  Política
  Cidade
  Geral
  Especial
  Cultura
  Sociedade
  Entrevista
  Ed. Anteriores
  Expediente
 
COLUNAS
 

REPÓRTER DA CIDADE

Marcos Cardoso


FESTIVAL DE INVERNO - Primeiramente, parabéns a todos nós, por conseguirmos fazer, apesar dos pesares, o nosso festival de inverno continuar sendo o maior evento artístico cultural do norte nordeste. Quero a seguir, fazer algumas considerações e apresentar sugestões para o próximo ano.

PARQUE EUCLIDES DOURADO - A programação do Parque Euclides Dourado foi ótima, para crianças e adultos. Todos tiveram boas opções, no entanto podemos melhorar, por exemplo: o acesso ao parque com o término da construção das calçadas na parte externa, evitando que as pessoas tenham que estar pulando as poças d'água; novos acessos de entrada e saída do público precisam ser criados; o espaço reservado para acomodar o público do palco de dança melhorou bastante, mas para o próximo ano pode ser melhor aproveitado, com a cobertura de toda a quadra, possibilitando a colocação de mais cadeiras e facilitando a visão de quem fica nas arquibancadas.

QUANTOS GRAUS? - Uma coisa inadmissível em uma cidade que tem Festival de Inverno é a ausência de termômetros. Quem veio sentir nosso frio não encontrou um único termômetro em toda a cidade. É preciso providenciar termômetros que estejam localizados em cada pólo, ou que pelo menos o relógio digital da Av. Santo Antônio esteja funcionando no próximo festival.

PRAÇA VAZIA - Quem elabora a programação da Esplanada Guadalajara não pode deixar que o Festival de Inverno tenha noites tão vazias em termos de atrações musicais que motivem a ida do povo, como aconteceu na segunda-feira, 14. Se não houver condição para contratar um grande nome da música, que pelo menos sejam contratados artistas conhecidos do povão. O que não pode acontecer é a esplanada ficar deserta, prejudicando inclusive quem pagou caro por uma barraca, na esperança de tirar pelo menos o que foi investido.

ADILSON RAMOS - Mais uma vez o (velho) Adilson Ramos foi o grande nome da programação de meio de semana na Esplanada Guadalajara. Pela décima vez ele veio ao festival, cantou as mesmas músicas, usou os mesmos chavões para se comunicar com o público, pela décima vez saiu ovacionado e conseguiu conquistar novos fãs.

CIDADÃO DE GARANHUNS - A identidade de Adilson Ramos com o Festival de Inverno e com Garanhuns é tão forte, que já tem gente querendo que ele seja agraciado com o título de cidadão de Garanhuns, pela Câmara de Vereadores. O pedido foi apresentado ao vereador Cacau, que antes de apresentar o projeto, pediu que as emissoras de rádio da cidade fizessem uma pesquisa junto aos seus ouvintes. Adilson Ramos merece receber o título de cidadão de Garanhuns?

SOU MAIS GARANHUNS - Sem querer menosprezar nenhum artista de fora, mas sinceramente, quem foi a Esplanada Guadalajara pôde confirmar que Garanhuns tem artistas muito melhores do que alguns que alí se apresentaram. Depois de ouvir alguns desse artistas a gente pergunta: quais os critérios usados pela FUNDARPE para definir quem deve e quem não deve ocupar o palco da esplanada?

PALCO DOS EXCLUÍDOS - De parabéns a Casa Pró-Cidadania, na pessoa da Doutora Ielma Lucena, e a Unimed Agreste Meridional, na pessoa de Dr. Alcindo Menezes, pelo espaço criado na Av. Santo Antônio, onde, artistas de Garanhuns e região, que não tiveram a oportunidade dentro da programação oficial do Festival de Inverno, puderam mostrar seu trabalho através do projeto Arte na Calçada, deixando maravilhados a todos nós, moradores de Garanhuns e aos turistas que por alí passaram.