Garanhuns, 23 de julho de 2003
  Início
  Opinião
  Política
  Cidade
  Geral
  Especial
  Cultura
  Sociedade
  Entrevista
  Ed. Anteriores
  Expediente
 
COLUNAS
 

CORREIO POLÍTICO

Roberto Almeida


CIVILIDADE

Foi chata a briga entre o deputado Izaías Régis e o suplente de vereador Stoni Costa. O assunto foi parar na Ronda Policial, da Rádio Jornal e numa outra emissora o entrevistador fez questão de usar uma linguagem bem popular ao abordar a delicada questão.

Garanhuns precisava muito de um deputado e Izaías Régis foi eleito com uma votação belíssima, estando credenciado para representar nosso Agreste no Legislativo Estadual.

Agora, é preciso não se perder em coisas pequenas e evitar tanto provocações quanto agressões, de quem quer que seja.

Garanhuns sempre teve uma política civilizada, com homens públicos finos e educados do porte de Luís Souto Dourado, Amílcar Valença, José Tinoco, José Inácio Rodrigues, Bartolomeu Quidute, Ivo Amaral e o prefeito Silvino Andrade.

Vamos esperar que continue uma cidade civilizada.


CANDIDATURAS

O PT deve aumentar o número de prefeitos no Agreste Meridional no próximo ano, pois terá candidaturas viáveis em Bom Conselho, com a professora Maria de Fátima, a Fafá; em Iati, com padre Jorge; em Angelim, com Samuel Salgado; e em Garanhuns, com padre Carlos André.


REELEIÇÃO

A única prefeitura do Agreste nas mãos do PT atualmente é Caetés, governada pelo engenheiro José Luiz Sampaio, o Zé da Luz. Ele já confirmou que é candidato à reeleição e deve vencer o pleito de 2004 sem grandes problemas.


CONVERSA

O advogado Jorge Branco, ex-secretário de Turismo do município, conversou muito, num determinado dia do Festival, com o ex-prefeito Bartolomeu Quidute. Ninguém sabe o que disseram, mas que falaram de 2004 disso não há dúvida.


TELEFONEMA

E o senador Sérgio Guerra, do PSDB, ligou outro dia para o padre Carlos André, lá em Roma. O bate papo foi longo, porém somente Jesus tem conhecimento do diálogo travado entre os dois.


ENTUSIASMO

O vereador Givaldo Calado cada vez mais entusiasmado com sua pré-candidatura à prefeitura de Garanhuns. O líder do PPS está convencido que chegou sua vez e não abre nem para um caminhão carregado de silvinos, izaías e homens de batina.


ANIVERSÁRIO

A senhora Valderice Lino dos Santos, coordenadora do Grupo Amigos de Márcio Quirino, distribuiu convite na cidade para a comemoração do aniversário do vice-prefeito, Márcio Quirino, que acontece no próximo dia 22. Segundo o convite a festa será às 10h, no Palácio Celso Galvão, sede da prefeitura de Garanhuns.


MUDANÇA

A festa de Dr. Márcio seria em frente ao Palácio Celso Galvão. Mas depois alguém deve ter ponderado e o ato foi transferido para o restaurante Garoa, que fica em frente a prefeitura, porém é um estabelecimento privado e aí se evita algum tipo de problema. O vice-prefeito está tendo todo apoio de Romário em sua movimentação política.


LIDERANÇA

Padre Aldo Mariano continua resistindo à idéia de disputar a prefeitura de São Bento do Una, por conta de seus compromissos com a Igreja e o bispo Dom Irineu. Mas o grupo de vereadores que faz oposição a Paulo Afonso torce pela entrada do religioso na política, uma vez que ele lidera todas as pesquisas feitas no município.


UNIÃO

Segundo pesquisas feitas em São Bento, hoje padre Aldo só perde para Paulo Pereira, o Paulo Bodinho, que não é candidato. Mas uma vitória diante do atual prefeito, um líder popular na terra de Alceu Valença, depende da união dos oposicionistas. Se Reginaldo Porfírio, também ex-prefeito, for candidato, certamente Paulo Afonso terá a sua vida facilitada.


JUPI

E pra quem não gosta dos padres na política, tome mais essa: padre Ivo Francisco, prefeito de Jupi, disse em entrevista no Jornal Marano que é candidato à reeleição. Mesmo que o bispo o suspenda de ordem.


REFORMA

O Governo Lula parece está cedendo a pressão do judiciário, dos servidores e outros seguimentos que não querem a reforma da Previdência Social. O recuo do presidente cria um problema até com os governadores, que mandam nos votos do Congresso. Como se vê, é muito difícil fazer mudanças no Brasil. Caso Lula faça uma meia reforma, sua gestão correrá o risco de ficar ainda mais parecida com a de FHC. É uma pena.