Garanhuns, 23 de julho de 2003
  Início
  Opinião
  Política
  Cidade
  Geral
  Especial
  Cultura
  Sociedade
  Entrevista
  Ed. Anteriores
  Expediente
 
CIDADE
 

Festival deixa saudades

O 13º Festival de Inverno de Garanhuns, que só acabou nas primeiras horas da manhã do último domingo, deixou muitas saudades entre os moradores da cidade e visitantes de outros municípios do Agreste e de todas as partes do Estado. Durante os nove dias do FIG, a Suíça Pernambucana recebeu ainda pessoas das mais importantes cidades do Nordeste e de todas as regiões do país.

O Festival começou na quinta-feira, dia 10, com um show inesquecível de Naná Vasconcelos, Airto Moreira e Flora Purim. Teve também a participação dos grupos de maracatu pernambucanos Majê Molê e Nação Erê. O público neste dia foi apenas razoável, mas o espetáculo foi belíssimo e terminou com a execução de "Trenzinho Caipira", de Villa Lobos, aos som de violinos, guitarrras e maracatus, enquanto os fogos explodia nos céus da Guadalajara.

A partir da sexta-feira, dia 11, uma multidão invadiu a Guadalajara, os parques Euclides Dourado e Pau Pombo, enquanto centenas de pessoas prestigiavam as apresentações de cultura popular, na Avenida Santo Antônio, e de teatro, no Centro Cultural. No Colégio Santa Sofia, no Castainho e no Caic do Indiano, os jovens ocuparam as salas de aula para participar das oficinas pedagógicas do FIG.

A festa na Esplanada Cultural teve bom público todas as noites, à exceção da segunda e quarta-feira, quando Kelly Benevides, Ladja Betânia e Paulo Miklos cantaram para pouca gente. O sambista Jorge Aragão juntou perto de 50 mil pessoas na praça, num show que agradou em cheio, façanha repetida da por Flávio José em plena madrugada da quarta-feira, dia 16.

Na quinta, dia 17, o pátio de eventos explodiu com os grupos de rock, à frente a banda Estado Suicida e o grupo Ira, na Sexta Fernanda Porto (esta no Euclides Dourado), Vanessa da Mata e Fafá de Belém voltaram a atrair a massa e, finalmente, no sábado Paulo Ricardo e a RPM bateram recorde de público com um show que balançou as estruturas da cidade.

Agora, só no próximo ano, que pena. Mas quem sabe será melhor ainda e finalmente esticam o evento para 15 ou mesmo 30 dias.