Garanhuns, 07 de junho de 2003
  Início
  Opinião
  Política
  Cidade
  Geral
  Especial
  Cultura
  Sociedade
  Ed. Anteriores
  Expediente
 
COLUNAS
 

CORREIO CULTURAL

Carlos Janduy


X Mostra de Artes Cênicas de Garanhuns

A X Mostra de Artes Cênicas de Garanhuns Luís Souto Dourado, realizada de 27 a 31 de maio, teve o seguinte resultado:

Categoria Infantil / Infanto-juvenil:

"Folia dos Três Bois", de Sylvia Orthof, direção de Sandra Albino, montagem do Grupo Diocesano de Artes, do Colégio Diocesano de Garanhuns.

Premiação:
Melhor Direção, Melhor Cenografia, Melhor Figurino, Melhor Maquiagem e Melhor Iluminação: Sandra Albino.
Melhor Sonoplastia e Melhor Música Original: Carlos Janduy.
Melhor Coreografia: Irapoã Ribeiro, Kellyana Pereira e Sandra Albino.
Melhor Ator: Erivaldo Oliveira.
Melhor Atriz: Kellyana Pereira.
Ator Revelação: Lucas Notaro.
Melhor Espetáculo: classificado para o XIII Festival de Inverno de Garanhuns.

Categoria Adulto:

"A Décima Oitava Hora", texto e direção de Gerson Lima, montagem do Grupo Órion.

Premiação:
Melhor Direção, Melhor Coreografia, Melhor Cenografia, Melhor Figurino, Melhor Iluminação e Texto Inédito: Gerson Lima.
Melhor Trilha Sonora: Carlos Janduy.
Melhor Ator: Irapoã Ribeiro.
Melhor Maquiagem: Eraldo Rodrigues e Sandra Albino.
Melhor Espetáculo: classificado para o XIII Festival de Inverno de Garanhuns.

"Apaga a luz e faz de conta que estamos bêbados", de Ronald Radde, direção de Antônio Rodrigues, montagem do Cênicas Cia. de Repertório.

Premiação:
Melhor Atriz: Lilian Ferreira
Ator Revelação: Alan Roger

Obs.: Segundo informações de Waldéria Santana, diretora de cultura do município, os jurados ficaram de solicitar da FUNDARPE mais um espaço para o teatro adulto de Garanhuns, para que "Apaga luz e faz de conta que estamos bêbados" também possa fazer parte da programação do Festival.

Torcemos muito para que isso aconteça, pois o espetáculo merece estar no evento.


Categoria Dança

"Nossa Gente... Nossa Arte", concepção coreográfica e direção de Antônio Araújo, montagem Dan'seres Cia. de Artes.

Premiação:
Direção e Sonoplastia: Antônio Araújo.
Dançarina Revelação: Edjane Nayara.



Na noite de entrega dos troféus, Gerson Lima fez uma belíssima crônica ao saudoso ex-prefeito e ex-deputado Luís Souto Dourado, o grande homenageado este ano. Sua filha, Maria Clara Dourado esteve presente e no seu pronunciamento agradeceu a homenagem e incentivou para que o Centro Cultural nunca perdesse a efervescência da culturta e da arte, pois esse era o sonho do seu pai.

Marcos Freitas e Julierme Galindo também foram reverenciados no evento por terem idealizado a Mostra.


O espetáculo Folia dos Três Bois

Folia dos Três Bois é uma espécie de oratório de Bois-bumbás. Não obedece ao esquema verdadeiro das festas nordestinas, mas transmite um clima de reisado, misturado com infância. Os atores atuam com simplicidade, mas de forma verdadeira. Não há pose de balé ou voz colocada de modo erudito. A intenção principal é transmitir sertão. As músicas folclóricas, com letras adaptadas ao texto e as letras musicadas por Carlos Janduy, a pedido de Sandra Albino, diretora desta montagem, dão um toque especial de amarração à peça de Sylvia Orthof.

Apesar de ser um auto de Natal, o espetáculo pode ser tudo, menos religioso, no sentido exato da palavra, mas a presença do milagre existe, dando um aspecto místico ao folguedo.


O espetáculo A Décima Oitava Hora

"A Décima Oitava Hora foi escrito para encher a alma. Seu embasamento sacro não impede a liberação de um senso crítico, quando questiona os valores e papéis do ser humano diante do mundo. Com uma costura de cenas equilibrada, a peça arrebata o espectador a um ambiente individual de sua estância de questionamentos. O público encontra álibes deliberadamente, na aproximação que o espetáculo promove em relação a quem o assiste. Descobre-se a fome da alma. O mundo do autor se abre em denúncias e perdão e é o homem o centro de tudo, tentando buscar soluções através da fé abstrata e da ação do fazer. No mais, é um trabalho de esmerada beleza plástica, calçado no aparato do teatro greco-romano e na comédia Dellarte. Quem participa de A Décima Oitava Hora, sai alimentado os olhos e a alma."