Garanhuns, 26 de abril de 2003
  Início
  Opinião
  Política
  Cidade
  Geral
  Especial
  Cultura
  Sociedade
  Entrevista
  Ed. Anteriores
  Expediente
 
COLUNAS
 

CORREIO POLÍTICO

Roberto Almeida


PARTIDOS

Os defensores da candidatura do padre Carlos André à prefeitura de Garanhuns organizam dois partidos políticos no município: PV (Partido Verde), e o PSC (Partido Social Cristão). Quando o homem da batina chegar de Roma, em meados do ano, já terá a garantia de duas siglas.


CANDIDATOS

O PV está sendo organizado por Gundes, um dos "guerrilheiros" da turma do padre, que será candidato a vereador em 2004. Da última vez que disputou teve 480 votos. Já o PSC, tem à frente o 1º suplente de vereador Stoni Costa, que da última vez que tentou a Câmara chegou bem pertinho, conseguindo cerca de 800 votos.


ALIANÇA

Tanto Méviton Araújo, presidente do PT, como Jesuíto, do grupo de padre Carlos, reagiram com simpatia à idéia de uma frente de esquerda, em 2004, reunindo, em torno da candidatura do religioso o PV, o PSC e o Partido dos Trabalhadores. Seria uma boa oportunidade dessas agremiações elegerem um boa bancada para a Câmara.


FERRO

O deputado federal Fernando Ferro, do PT, começa a dar mais atenção à cidade depois da boa votação que conseguiu aqui na última eleição. O parlamentar esteve durante o feriado da Semana Santa em Garanhuns e reunido com integrantes do Diretório Municipal do Partido dos Trabalhadores discutiu os rumos da agremiação no próximo ano.


FERRO II

Fernando Ferro considerou muito dífícil uma candidatura sua à prefeitura de Garanhuns, como pregam alguns dos seus companheiros. O deputado preferiu defender alianças com outros partidos de esquerda, com o objetivo de garantir representação na Câmara dos Vereadores.


GENARO

O PT de Garanhuns não engole a indicação do médico e ex-vereador pefelista Genaro Braga para superintendente do INSS em Pernambuco. Méviton disse que a escolha foi péssima e Fernando Ferro prometeu marcação cerrada, exigindo transparência 10 e corrupção zero.


FAVORITISMO

Se depender do deputado estudual Izaías Régis, do PSB, em Garanhuns não vai ter eleição em 2004. O parlamentar disse que as pesquisas internas do seu grupo garantem uma vitória tranquila ao médico Bartolomeu Quidute. Ele esquece que em 1992 e 1996 José Tinoco e Ivo Amaral também lideravam com folga as pesquisas.


VITORIOSO

Outra de Izaías: chamado por Marlos Duarte (PSB) de aproveitador, o deputado disse que o ex-vereador não merece muita atenção. "Eu sou um vitorioso e ele um fracassado, que só conseguiu um mandato na Câmara Municipal", disse o parlamentar.


VITORIOSO II

Não resta dúvida de que Izaías hoje é um vencedor, eleito deputado com 43 mil votos. Agora, a bem da verdade Marlos teve três mandatos como vereador, ficando 16 anos na Casa Raimundo de Moraes. E Izaías, na única vez que tentou um mandato no parlamento local, teve meros 80 votos. Tudo mudou depois da chegada de Armando Monteiro.


AGRADECIMENTO

Ao agradecer à imprensa o apoio dado ao show da banda Calypso, na Metroplaza, a professora Maria Almeida destacou a participação de Givaldo Calado no sucesso da festa. "Eu sei o que o vereador tem representado para o Movimento Mãe Rainha na cidade", disse Maria.


DEFINIÇÃO

Bartolomeu já está definido como candidato do grupo de Izaías, padre Carlos deverá enfrentar a disputa pelo PV ou PSC e Givaldo já está nas ruas, com o seu PPS. E o candidato de Silvino, hein? Tem um prêmio do Correio quem adivinhar o nome.


QUIPAPÁ

Um bem informado morador de Quipapá acredita que padre Djalma para fazer seu sucessor no município terá de gastar R$ 1.500.000,00. Já Reginaldo Muniz conseguiria ganhar a eleição se tivesse uns R$ 150 mil. Desgastado esse padre, não?


JUPI

Já em Jupi a conversa é diferente. Muita gente de lá garante que se padre Ivo disputar a reeleição vencerá tranquilamente. Suceder Vavá Prostásio não foi muito difícil.


CAPOEIRAS

Eleito pelo PFL e tendo ajudado Jarbas a vencer duas eleições em Capoeiras, o prefeito Nenen esperava mais apoio do Governo do Estado. Mas até agora o que conseguiu, em quatro anos e meses da gestão peemedebista, foi R$ 40 mil, gastos no calçamento do Quati e a retirada dos carros-pipa quando o abastecimento d'água do município entrou em colapso.