Garanhuns, 29 de março de 2003
  Início
  Opinião
  Política
  Cidade
  Geral
  Cultura
  Sociedade
  Entrevista
  Ed. Anteriores
  Expediente
 
CIDADE
 

Garanhuenses condenam guerra no Iraque

Centenas de garanhuenses condenaram a guerra no Iraque e até uma manifestação, com boa participação popular, foi realizada na cidade esta semana, em protesto contra o ataque dos Estados Unidos ao país de Saddam Husseim. O ato foi comandado pelo União dos Estudantes Secundaristas de Pernambuco, UESG e atraiu a atração de pessoas do município e região.

A professora Luzinete Laporte, ex-secretária de Educação do Município, no Governo Luiz Souto Dourado, escreveu um artigo exclusivo para o Correio Sete Colinas criticando a guerra entre os EUA e o Iraque. Uma outra leitora, indignada, mandou uma carta protestando contra Rafael Brasil, que na última edição deste jornal apoiou o conflito no Oriente Médio e aconselhou o Brasil a ficar ao lado de Bush, para obter lucros.

Além do artigo de Luzinete, a professora enviou um trecho de uma carta do tenente-coronel Roberto Bowam (atual bispo da Flórida), ao presidente George Bush criticando as posições políticas do dirigente americano. “Somos alvos dos terroristas porque somos odiados. E somos odiados porque o nosso governo faz coisas odiosas”, disse o ex-militar, acusando os EUA de ter defendido em muitos países a ditadura, a escravidão e a exploração humana.

Entre os políticos do município a condenação à guerra também foi geral. O ex-vereador Paulo Gomes, do PFL, classificou como absurdo o que os Estados Unidos estão fazendo no Iraque e lamentou o massacre de inocentes. Méviton Araújo, presidente do Diretório Municipal do PT, disse que ele e o partido são contra os atos bélicos e o vereador Givaldo Calado, do PPS, considerou que Bush não devia ter partido para a luta sem a autorização da Organização das Nações Unidas, ONU.